Category Archives: Meio ambiente e turismo

A experiência do turismo cultural e histórico em Portugal nesta quinta-feira
   Mozart  Luna  │     11 de agosto de 2020   │     11:12  │  0

o

A live que será realizada na próxima quinta-feira, tem a proposta de trazer para o empresariado alagoano e aos governos, um Projeto interativo de como se fazer turismo cultural e histórico, com a experiência desenvolvida pela Fundação Aljubarrota.

Fortim Bass em Porto Calvo, onde se pode instalar um projeto semelhante

Alagoas possui destinos históricos como Penedo, Porto Calvo e Marechal Deodoro, que podem abraçar um projeto desse porte, com o objetivo de motivar a prática do turismo cultural e histórico, valorizando a memória do Estado como integrantes da Federação Brasileira, além de preencher uma lacuna que existe em nossa prática do turismo alagoano.

Fundação da Batalha de Aljubarrota

Como funciona

O CIBA foi criado para recriar o momento de uma das batalhas mais importantes para formação da nação portuguesa. Dotada de recursos tecnológicos que interage com o visitante e surpreender a todos porque os leva ao tempo daquele fato histórico, o Centro tem atraído muitos turistas, além de pesquisadores e o público estudantil que recebem uma verdadeira aula de história e cultura ao vivo.

Embora tenham existido, ao longo de mais de oitocentos anos de História, diversos confrontos militares em território português, com diferentes graus de importância estratégica e política, é hoje perfeitamente possível identificar as batalhas que se revelaram decisivas para a formação e consolidação de Portugal, como país livre e independente.

Nestes campos de batalha, onde o futuro de toda a nação portuguesa se decidiu num único dia, a coragem, a eficácia e a determinação dos portugueses conseguiram assegurar, para sempre, a soberania nacional e, portanto, a possibilidade de serem os portugueses a governar o seu próprio destino.

Deste modo e analisando a História de Portugal, é possível afirmar que as batalhas ocorridas durante a Guerra da Independência (1383 a 1432) e durante a Guerra da Restauração (1640 a 1668) assumiram uma particular importância na formação e consolidação de Portugal.

Por esse motivo a Fundação Batalha de Aljubarrota considerou que se justificava plenamente a recuperação e valorização dos respectivos campos de batalha, não apenas para facilitar o estudo dos factos e acontecimentos verificados nas respectivas épocas, mas também como forma de atrair um público nacional e internacional, cada vez mais numeroso e interessado no turismo cultural.

A constituição da Fundação e o início da implementação dos seus objetivos, proporcionou ainda duas vantagens adicionais:

– em primeiro lugar permitiu que seis locais históricos que estavam, até 2001, totalmente esquecidos e abandonados, isto é, os campos de batalha de Atoleiros (1384), Trancoso (1385), Aljubarrota (1385), Linhas de Elvas (1659), Ameixial (1663) e Montes Claros (1665), pudessem ser finalmente tratados de acordo com a importância relevante que tiveram na História de Portugal e no processo da construção política Europeia.

– em segundo lugar e à semelhança do que tem sucedido na generalidade dos países desenvolvidos, nomeadamente na Europa e nos E.U.A., a Fundação deu um contributo decisivo para que locais históricos relevantes possam ser valorizados de acordo com o seu potencial cultural, proporcionando simultaneamente pólos de desenvolvimento importantes para as respectivas regiões.

Sendo a recuperação e valorização dos principais campos de batalha portugueses, bem como a sua subsequente abertura ao público, uma missão a médio e longo prazo, a Fundação contribuirá para a sua implementação através de um diálogo e trabalho conjunto com o Estado Português, com a comunidade científica e com a sociedade civil portuguesa.

Encenação da batalha em campo

Os objetivos estratégicos da Fundação Batalha de Aljubarrota podem ser sintetizados nos seguintes pontos:

Sensibilização das gerações presentes e futuras para a importância dos acontecimentos que ocorreram nestes locais históricos, nomeadamente dos valores de eficácia, determinação e coragem que presidiram à atuação dos portugueses;

Recuperação e valorização dos principais campos de batalha associados à formação e consolidação de Portugal.

Investigação histórica e arqueológica destes campos de batalha, sempre que possível em colaboração com as universidades portuguesas, potenciando a sua interpretação e a missão educativa e cultural do território.

Informação dos públicos portugueses e estrangeiros da importância que o desenrolar e o resultado destas batalhas tiveram na formação da identidade nacional do povo português.

Abertura ao público dos Centros de Interpretação das referidas Batalhas, com particular ênfase no Centro de Interpretação da Batalha de Aljubarrota.

Recuperação paisagística destes lugares históricos, restaurando tanto quanto possível o coberto vegetal e o meio ambiente existente à data da batalha;

Apresentação do contributo das principais figuras que participaram nestes acontecimentos.

Fidelização prioritária de públicos escolares, através de uma apresentação rigorosa e completa destes campos de batalha, e dos factos históricos aí ocorridos.

Diálogo com os residentes que habitam dentro das áreas classificadas, de modo a proporcionar-lhes um aumento da sua qualidade de vida.

Transformação destes campos de batalha em locais de estudo e de investigação relativamente às épocas em que as batalhas ocorreram, tornando-os susceptíveis de serem apreciados por um número crescente de visitantes.

Realização de espetáculos que envolvam a reconstituição histórica destas batalhas, com um elevado nível de qualidade e rigor quanto ao armamento utilizado e à forma como as batalhas se verificaram.

Conferências sobre história

Realização de conferências sobre a História de Portugal, com particular ênfase nos dois períodos históricos referidos. Intercâmbio cultural e científico com outras instituições internacionais dedicadas ao estudo e investigação de batalhas medievais e de batalhas ocorridas no século XVII.

Reforço da relação existente com o Estado Português e com instituições de carácter cultural e científico.

Restaurante com cardápio gastronômico da época medieval 

Restaurante medieval

O restaurante temático convida a conhecer os sabores da verdadeira cozinha medieval, conciliando um serviço moderno onde se preserva o conforto dos comensais e se prolonga o seu conhecimento sobre esta época da história.

Com um serviço de catering in house, o CIBA possui uma vasta oferta gastronomica, desde um repasto mais elaborado, digno de um banquete medieval a uma refeição regional ou vegetariana. O Restaurante Temático encontra-se aberto para o almoço e jantar, mediante reserva prévia

Cafeteria

Na Cafetaria poderá encontrar diariamente pratos quentes, saladas, salgados variados, sanduiches e pastelaria, bem como bebidas quentes, refrigerantes e vinho.

Atende-se a necessidades dietéticas específicas (caso tenha alguma restrição alimentar por favor informe aos colaboradores no local).

Há oferta de menus específicos para grupos escolares mediante pedido prévio (quando efetuar a reserva de visita ao CIBA por favor solicite os menus adequados a este grupo).

A Cafetaria encontra-se aberta de acordo com as datas e horários de funcionamento do Centro de Interpretação da Batalha de Aljubarrota.

Não perca a live dia 13, às 19 horas no Brasil e às 23 horas em Portugal

 

 

 

>Link  

Pesquisa mostra que jovens estão prontos para viajar
   Mozart  Luna  │     10 de agosto de 2020   │     23:01  │  0

Para os empreendedores do turismo que analisam com cuidados os números de pesquisas e os cruzam com o da pandemia, chegam a conclusão que 2020 ainda tem muito para oferecer em termos de faturamento para o setor.

Uma pesquisa realizada pela Vituroso Trevel Week nos Estados Unidos, aponta que 84,2% dos joves entre 18 e 25 anos responderam que pretendem viajar ainda este ano, aproveitando os feriados e datas festivas. Já c5,3% que não vão viajar e 10,5% que não tinham certeza. Mas entre os viajantes de 55 a 76 anos, apenas 36,2% disseram que estavam prontos para viajar novamente, superados pelos 53,7% que não estavam (9,4% não tinham certeza).
Segundo David Kolner, vice-presidente sênior de estratégia da Virtuos maior parte das gerações Z, millennials e Xers são os mais prontos para voltar a viajar.

Os clientes das agências Virtuoso também estão mudando a forma como viajam. Kolner disse que o número que planeja ficar perto de casa aumentou este ano. De acordo com os dados de reserva de hotéis da Virtuoso, no segundo trimestre 70% das reservas foram para destinos a menos de 1.500 milhas das casas dos viajantes, em comparação com 58% no mesmo período de 2019.

As janelas de reservas também estão diminuindo. No segundo trimestre, 43% das reservas ocorreram duas semanas ou menos a partir do momento da viagem, em comparação com 37% no segundo trimestre de 2019.

Os parceiros de hotéis da Virtuoso têm a capacidade de escolher três atributos diferentes para descrever seu hotel. No segundo trimestre foram marcados aumentos nas reservas de hotéis que selecionaram os atributos “aventura”, “reclusão”, “golfe” e “praia”.

Enquanto isso, as reservas em hotéis com atributos como “vida na cidade” e “pontos de referência” diminuíram, provavelmente devido ao fechamento de grandes cidades, disse Kolner.

“Agora é um ótimo momento para aprender mais sobre os pontos de interesse de seus clientes e iniciar essas conversas sobre o que eles querem fazer para viajar agora”, disse Kolner.

Olhando para a temporada de férias, uma pesquisa com os viajantes da Virtuoso em julho descobriu que 22% disseram que considerariam viajar durante a temporada de festas, mas querem esperar para ver como as condições evoluem e planejam ou reservam mais perto; 15% por cento disseram que considerariam fazer planos de viagem de férias agora, mesmo que ajustes precisem ser feitos mais tarde. Dezesseis por cento disseram que não viajarão nas férias este ano, embora geralmente viajem durante o período. (O restante, 47%, disse que normalmente não viaja durante as férias.)

Até agora, as vendas de cruzeiros para 2021 estão apenas 6% abaixo de onde estavam em 2019, disse Kolner. As vendas de cruzeiros fluviais estão em alta e há um grande interesse em cruzeiros oceânicos em linhas de luxo e premium.

 

 

 

>Link  

CEO da Booking Holdings diz que as viagens sofrerão uma recuperação ‘volátil’
   Mozart  Luna  │       │     11:34  │  0

A indústria de viagens experimentará uma recuperação “volátil” da crise do coronavírus até que uma vacina ou tratamento possa ser desenvolvido e distribuído em todo o mundo, de acordo com o CEO da Booking Holdings, Glenn Fogel.

Falando na mais recente ligação de resultados financeiros da empresa na tarde de quinta-feira, Fogel disse que sua empresa ( nº 2 na lista de energia 2020 da Travel Weekly) sentiu o efeito total da Covid-19 no segundo trimestre de 2020. A receita total caiu 84%, para US $ 630 milhões , e o lucro líquido despencou 88%, para US $ 122 milhões.

Como a Expedia ( nº 1 na lista de energia 2020 da Travel Weekly), que divulgou anteriormente seus ganhos do segundo trimestre , a Booking Holdings também viu um aumento na demanda por acomodações alternativas. Para sua marca Booking.com, as acomodações alternativas representaram 40% de todas as novas reservas no segundo trimestre, um número maior do que no passado, de acordo com o CEO.

Como outros provedores de viagens, a Booking Holdings registrou altas taxas de cancelamento em março e abril, seguidas de baixa demanda por viagens, disse Fogel. Pela primeira vez desde 2001, a empresa teve um prejuízo trimestral em lucros antes de juros, impostos, depreciação e amortização.

Fogel disse que a empresa ficou satisfeita em ver alguns sinais de recuperação em alguns mercados, mas “é impossível dizer como os próximos meses se desenrolarão”.

Na verdade, alguns mercados que tiveram crescimento recente, incluindo os EUA, já começaram a estagnar ou cair novamente.

“Após um período de melhoria relativamente constante em muitas áreas geográficas nas últimas semanas, estamos vendo essas taxas de crescimento piorarem em alguns países”, disse Fogel. “Continuamos a acreditar que, para recuperar os níveis anteriores à Covid, precisaremos ter uma vacina ou um tratamento eficaz, que levará tempo para ser produzido e distribuído globalmente na escala necessária.”

Fogel acredita que um retorno aos níveis de viagens anteriores à Covid-19 levará “anos, e não quartos”.

Alguns novos padrões de reserva surgiram no segundo trimestre em países que anteriormente haviam sido bloqueados para controlar a propagação do vírus. Os viajantes, disse Fogel, estão mais interessados ​​em fazer viagens domésticas. Seus destinos estão mais próximos de casa e em áreas menos urbanas.

Booking Holdings está em processo de dimensionamento correto de seus negócios para a redução esperada na demanda de viagens nos próximos anos. Fogel disse que o trabalho foi concluído no segundo trimestre em suas marcas Kayak, OpenTable e Agoda, resultando em uma força de trabalho reduzida em cerca de 22%. Isso produzirá uma economia anual estimada de US $ 80 milhões.

Sua marca principal Booking.com está passando pelo mesmo processo agora. Fogel estimou que sua força de trabalho total será impactada em cerca de 25%, gerando uma economia anual de pessoal entre US $ 250 e US $ 300 milhões.

>Link  

Azul inova com aviões monomotor para voos regionais
   Mozart  Luna  │     9 de agosto de 2020   │     18:19  │  0

A Companhia aérea Azul consolida cada vez mais o projeto de voos regionais e na próxima terça-feira (11), em Jundiai, lança o “Azul Conecta” com uma frota de 17 aeronaves Cesna Gran Caravan, com capacidade para apenas nove passageiros para atender a demanda em várias regiões do Brasil.

Este projeto lembra a antiga Panair do Brasil, que integrou todo Brasil nas décadas de 60 e 70 também com aeronaves de pequeno porte, suprindo uma demanda em locais como a Amazônia onde não havia estradas.

Para Alagoas a notícia deve ser comemorada pelos empresários dos destinos turísticos como da região dos Cânions do São Francisco (Piranhas, Delmiro Gouveia, Canindé do São Francisco e Olho d’água do Casado e Paulo Afonso), que poderá criar projetos juntos com as operadoras e a Azul para viabilizar um fluxo aéreo de turistas muito maior, usando o aeroporto de Paulo Afonso como hub. Outros destinos também poderão usufruir desse das rotas desses voos regionais, como Maragogi, por exemplo, quando estiver com seu aeroporto concluído.
Azul já é a companhia aérea com maior número de destinos alcançados no Brasil. A transportadora ressalta sua frota diversificada, que alcança destinos onde jatos de médio e grande porte muitas vezes não chegam. São 140 aeronaves que, antes da pandemia, atendiam 116 destinos em 916 voos diários.

 

>Link  

Parte mais um voo da TAP hoje de Recife par Lisboa
   Mozart  Luna  │       │     6:25  │  2

 

Chegou hoje pela madrugada mais um voo regular da TAP no trecho Lisboa/Recife, sendo o terceiro esta semana a ser  realizado, sem turistas e apenas com brasileiros que estão de volta, portugueses residentes no Brasil e estudantes e pesquisadores que estão realizando intercambio de estudos entre os dois países.

As fronteiras continuam fechadas para o Brasil na Europa e só pode viajar, quem apresentar o exame negativos de covid-19. O exames têm ter uma validade máxima de 72 horas.

Os voos da TAP entre Lisboa e Recife acontecem às sexta-feira e aos domingos e de Recife para Lisboa terças e domingos.

A expectativa é que no dia 15 de agosto o Brasil possa estar na lista de países liberados com acesso ao espaço schengen, mas para segundo os operadores de viagens essa possibilidade é muito remota. Para ele somente quando o país apresentar uma queda considerável do numero de casos de covid-19 é que a Comunidade Europeia poderá liberar as fronteiras para os brasileiros.

Enquanto isso os voos regulares estão mantidos e já existe uma demanda bastante reprimida de turistas, principalmente brasileiros que desejam viajar para Portugal.

Mais informações acesso ao site da TAP Air Portugal

>Link