Category Archives: Meio ambiente e turismo

Máscaras e luvas usadas surgem nas praias de Maceió
   Mozart  Luna  │     2 de junho de 2020   │     9:28  │  0

 

Nosso blog recebeu por WhatsApp fotos de máscaras e luvas usadas que estão chegando à Praia da Avenida, próximo ao riacho Salgadinho no centro de Maceió. Pessoas que fazem caminhadas, mesmo contra o decreto, e pescadores que transitam naquele trecho da orla relatam que esse material usado começou a surgir com as últimas chuvas que caíram sobre a cidade.

A Vigilância Sanitária de Maceió e o Instituto do Meio Ambiente (IMA) foram procurados para se posicionar sobre o problema que foi denúnciad por garis e catadores de material reciclável. Segundo eles esse material estava sendo descartados juntamente com lixo doméstico pela população, assim como também por supermercados, farmácias e hotéis, que estão hospedando profissionais da saúde.

Os responsáveis dos órgãos procurados por nosso blog disseram que iam realizar ações de fiscalização e a vigilância sanitária de Maceió, que se comprometeu em baixar normativas para o descarte correto de máscaras e luvas; mas passados já mais de dez dias, nada foi feito e problema chega agora às praias de Maceió.

Para técnicos sanitaristas esse material deveria ser descartado separadamente e recolhido por empresas especializadas, como é feito com o material usados nos hospitais e postos de saúde. Esta seria mais uma medida preventiva de combate ao covid-19, um vírus que ainda não se tem conhecimento científico suficiente sobre sua atuação e mutabilidade.

Dessa forma, o lixo recolhido hoje em Maceió e outras cidades representam um problema a ser pensado, dentro das ações preventiva contra o coronavírus.

 

>Link  

Agentes de viagens fortalecidos e crescimento do turismo domésticos, diz pesquisa nos EUA
   Mozart  Luna  │     1 de junho de 2020   │     20:28  │  0

Mais uma vez o cenário aponta para um novo formato dos resorts que terão que se reinventar

 

As pesquisas realizadas nos Estados Unidos, neste começo de retomada das atividades turísticas mostram que aumentou 5 para 1 os pedidos de reserva de turistas regionais. Isto aponta também para uma mudança radical dos resorts, que estão se reinventando para atender esse hóspede que chega de carro e com toda família.

Os números só confirmam o que nosso blog vinha apurando junto a vários empresários do setor de turismo. O novo cenário para atividade turística já está posto e deve ser entendido e analisado para se dar respostas as demanda. O Governo Federal, através da Nova Embratur, segundo entrevista do presidente, Gilson Neto, já entendeu a mensagem do mercado e estar se planejando para iniciar um trabalho voltado para o público interno.

A Travel Weekly mostra em sua pesquisa o foco dos resorts são as agências tradicionais, atacadistas, operadores turísticos e consultores, que em parceria com os grupos de hotéis se apressam em desenvolver produtos domésticos e regionais que visam viajantes ansiosos por escapar de suas casas, embora com cautela.

A Island Destinations, por exemplo, um dos principais atacadistas de luxo especializados em resorts de praia do mundo, renomeou sua empresa ID Travel Group e voltou seu foco para destinos domésticos e regionais.

Esta semana, foi apresentado um programa privado de acampamento de luxo que os agentes podem usar para vender pacotes em mais de 20 resorts, principalmente domésticos, como o Montana’s Resort em Paws Up e Watch Hill em Rhode Island, com um consultor de acampamento privado para manter as crianças. ocupados, mas socialmente distanciados, enquanto os pais relaxam ou trabalham.

“A grande história aqui é que os consultores nos chamavam dizendo: ‘É disso que estamos recebendo demanda. Você pode nos ajudar?'”, Disse Laurie Palumbo, COO da ID Travel Group.

“Aqui o ‘destino da ilha’ que estamos vendendo é o Chatham Bars Inn, em Cape Cod, e Amangiri, no deserto de Utah.

Da mesma forma, outros atacadistas que tradicionalmente vendem pouco produto doméstico para consultores nos EUA estão trocando de marcha e colocando mais hotéis e produtos nos EUA na frente de agentes norte-americanos.

E as operadoras de turismo também estão aumentando suas ofertas domésticas. Na semana passada, a Abercrombie & Kent adicionou seis aventuras Tailor Made no oeste americano e no Alasca, além de duas Great Road Trips americanas com guias particulares e acomodações cuidadosamente examinadas que oferecem mais espaço e privacidade.

Globus e Intrepid disseram que, nas próximas semanas, divulgarão produtos domésticos não apenas para o mercado dos EUA, mas também para clientes em mercados importantes da Austrália e do Reino Unido.

A força dos agentes de viagens

“Em teoria, você não vende destinos locais para locais”, disse Felix Brambilla, CEO do Overseas Leisure Group. “Quando você conversa com a maioria dos consultores de viagens nos EUA, a força deles está na saída, no envio de pessoas para a África e assim por diante. Eles conhecem as principais propriedades dos EUA. Mas agora eles são muito mais do que uma escapada de fim de semana; eles estão se tornando um verdadeiro destino prioritário para todos “.

 

O interesse do consumidor em reservar viagens permanece baixo, e a maioria dos consultores de reservas que fizeram desde o encerramento global do Covid-19 são remarcações de viagens canceladas.

Steven Kadoch, sócio-gerente da Ultimate Jet Vacations, que tradicionalmente vende principalmente o Caribe e o México, disse que se concentrou nas últimas semanas em adicionar hotéis e destinos de destino em todo o país ao seu inventário.

“Não somos novos no produto doméstico”, disse Kadoch, mas com recentes adições, como as reservas de Ted Turner no Novo México, o Lodge at Blue Sky em Montana e a Caldera House em Wyoming “, estamos aprimorando. , com certeza.”

Brambilla, cuja empresa tradicionalmente se concentrava na venda de pacotes de entrada dos EUA para agentes na América Latina, Europa e Oriente Médio, disse que adicionou 1.200 hotéis nos Estados Unidos, juntamente com uma série de novas experiências em seu inventário, sob as novas reservas sem depósito da empresa, sem depósito. programa e espera que as vendas de propriedades domésticas por agentes norte-americanos possam passar de 5% de seus negócios para 75%.

Jack Ezon, fundador e sócio-gerente da Embark Beyond, disse esperar uma mudança semelhante nos negócios de sua agência.

“Como varejista, a Embark historicamente vendeu apenas menos de 8% no mercado interno”, disse ele. “Projetamos 85% para o resto do ano, e [estamos] nos concentrando em uma campanha ‘descubra sua terra natal’. Passamos noites sem dormir atualizando nossos recursos internos, organizando seminários e ferramentas para animar todos. Acelerar.”

O Embark foi uma das primeiras agências a apresentar o programa de acampamento do ID Travel Group, e teve mais de 70 consultas nos primeiros dias em que foi apresentado em seu site, disse Ezon. “Literalmente nos inundou”, disse ele.

Misty Ewing Belles, diretora-gerente de relações públicas da Virtuoso, disse que as agências que fazem parte de seus consórcios não costumam reservar muita coisa doméstica, além do Havaí.

“Não é realmente nosso pão e manteiga”, disse ela. “No entanto, acho que os tempos mudaram.”

Ela disse que o valor dos consultores foi destacado pelo desligamento da viagem, que deixou muitos viajantes retidos e outros correndo para mudar de plano.

“As pessoas costumavam dizer que eu posso planejar minha própria viagem a Orlando ou Califórnia”, disse ela. “Mas sempre que há uma crise, destaca o valor de um consultor de viagens – e desta vez é 10 vezes mais”.

Colaboração portal tripseek.news

>Link  

EXCLUSIVO! Entrevista com presidente da nova Agência Brasileira de Promoção do Turismo
   Mozart  Luna  │       │     16:45  │  0

Hoje nosso blog traz uma entrevista EXCLUSIVA com o presidente da Agência Brasileira de Promoção Internacional de Turismo (Embratur), Gilson Machado Neto. A entrevista é inédita, já que é a primeira vez que o presidente da Agência fala oficialmente a um veículo de comunicação. Em primeira mão Gilson Neto falou sobre a reclassificação do aeroporto Zumbi dos Palmares em Alagoas;  ações de inteligência competitiva, monitoramento, pesquisa, marketing estratégico, relacionamento com a imprensa e com representantes do trade internacional e buscaremos monetizar a nossa operação; o selo “Turista Protegido”, que certificará estabelecimentos que cumprem as medidas sanitárias lançado pelo Ministério do Turismo; incentivo neste primeiro momento ao turismo doméstico; barateamento das passagens aéreas e fomento ao turismo internacional, tendo como público principais os Estados Unidos e Europa.

*1- A nova Agência Brasileira de Promoção Internacional de Turismo (Embratur) tem um grande desafio, que é a conquista do mercado internacional, diante do cenário da pandemia de covid-19, principalmente porque o Brasil hoje está em segundo lugar no mundo em número de casos. Qual a estratégia a ser realizada?*

A estratégia neste momento é preparar a Embratur para que possa estar plenamente operante assim que o mundo do turismo voltar a sua normalidade internacionalmente. Enquanto isso não ocorre, a Embratur segue apoiando o trabalho realizado pelo Ministério do Turismo de divulgação dos nossos destinos domésticos, cumprindo o que foi determinado pelo Congresso Nacional ao aprovar a Embratur como Agência.

Segundo o texto, que foi sancionado dia 26 de maio pelo Presidente da República Jair Bolsonaro, sob a forma da lei nº 14.002 de 2020, quando há Estado de Calamidade e até seis meses após o término desta situação a Embratur deve empregar seus esforços e recursos na divulgação do turismo doméstico. Também estaremos auxiliando o Ministério das Relações Exteriores no processo de repatriação de brasileiros que enfrentam dificuldades de retorno ao Brasil por conta de aeroportos e hotéis fechados em virtude da pandemia do Coronavírus.

*2- A mudança trouxe oxigenação financeira para Agência? Você já tem um projeto para emprego desses recursos?*

Transformada em Agência Brasileira de Promoção Internacional do Turismo, a Embratur deixa de onerar os cofres públicos, e os R$ 80 milhões que estavam previstos no orçamento da autarquia permanecerão nos cofres da União. A nova Agência atuará de forma mais flexível e autônoma, podendo desenvolver ações e parcerias para melhor divulgar e promover o Brasil junto aos mercados turísticos internacionais. Com mais flexibilidade, faremos ações de inteligência competitiva, monitoramento, pesquisa, marketing estratégico, relacionamento com a imprensa e com representantes do trade internacional e buscaremos monetizar a nossa operação.

*3- Brasil tem uma forte ligação com os Estados Unidos e você vinha realizando um grande trabalho de conquista do mercado norte americano, mas o presidente Trump proibiu a entrada de brasileiros naquele país. Como remediar essa situação? Tem um prazo?*

Estamos vivendo uma pandemia bíblica e o presidente Donald Trump sabe disso. Ele é um grande parceiro do Brasil e já elogiou a condução do nosso presidente Bolsonaro no combate ao Coronavírus, também. Todos os líderes mundiais trabalham para conter a disseminação do vírus e Trump sabe que o presidente Bolsonaro faz o mesmo.

Assim como os Estados Unidos, também temos restrições neste momento à entrada de estrangeiros. Como um país capitalista que busca gerar emprego e renda, o fechamento da fronteira americana para brasileiros não é interessante para a economia americana, basta levarmos em consideração que o Brasil está em terceiro lugar no ranking de turistas internacionais recebidos na Flórida, com 1,2 milhão de brasileiros tendo passado por lá em 2019. Nós mandamos mais turistas para os Estados Unidos do que eles mandam ao Brasil e esse fechamento é mais prejudicial aos Estados Unidos quando colocamos na balança, pois o brasileiro que planejava ir visitar os Estados Unidos ficará no Brasil para fazer turismo doméstico.

*4- Outro país que mantem um grande fluxo de turistas e é o hub para o Brasil é Portugal, que seguindo orientação da Comunidade Europeia, mantém as fronteiras fechadas. A Agência tem alguma estratégia também para abrir o mercado europeu para o Brasil? Vale lembrar que existe o Tratado de Schengen, que libera Portugal para manter voos regulares com países de língua estrangeira e forte ligação cultural e religiosa, no caso o Brasil. A Agência pode trabalhar a vinda de turistas portugueses através desse tratado?*
Neste momento de pandemia a Embratur trabalha para promover o turismo doméstico e mesmo após o final da pandemia este será o trabalho da Agência, como determinado pelo Congresso e sancionado pelo presidente Bolsonaro. Esperamos que a situação do turismo seja normalizada o quanto antes, mas vemos que não há uma determinação certeira sobre quando poderemos receber turistas internacionais sem corrermos riscos de aumento de casos de Coronavírus. O Ministério do Turismo já lançou o selo “Turista Protegido”, que certificará estabelecimentos que cumprem as medidas sanitárias importantes para que o vírus não se espalhe, algo semelhante ao que está sendo feito também em Portugal. A Anvisa também determinou medidas a serem cumpridas pelas Companhias Aéreas. Apoiaremos as medidas determinadas pelo governo federal, que dispõe de quadros excelentes e saberá quando será o momento de recebermos voos e quais serão os primeiros países a enviar turistas ao Brasil.

*5- Diante desse cenário difícil para atrair o turista internacional, o turismo doméstico e mesmo o regional seria o primeiro passo a ser dado? E como a Agência pode ajudar para fomentar o turismo dentro do país?*

Vamos incrementar ainda mais o turismo interno e o turismo de curta distância, sempre alinhados ao Ministério do Turismo. Nosso governo está focando suas atenções no turismo de natureza e de ambientes abertos, já que temos seis biomas, mais de 800 ilhas e não temos furacão ou maremoto. Assim que for possível as pessoas vão procurar viajar para onde haja higiene, limpeza. O Brasil é um país lindo de se conhecer e vamos apostar nessa regionalização do turismo.

*6- A TAP estava transformando vários destinos nordestinos na rota internacional de turismo na Europa. Uma dessas novas rotas é Maceió, mas que teve o lançamento do voo internacional transferido para 2 de outubro. Contudo o aeroporto Zumbi dos Palmares aguarda há seis anos a reclassificação para categoria Delta, o facilitaria o estabelecimento de voos regulares internacionais. O processo se encontra na SAC, há seis meses aguardando definição, com todos as exigências técnicas e burocrática preenchidas. Como a Agência pode ajudar para uma definição?*

Nós já estamos ajudando. Com a nova missão dada pelo presidente Bolsonaro e pelo Congresso Nacional à Embratur como agência, passamos a ter um papel de apoiadora de tudo que tenha a ver com turismo e com o aumento do nosso fluxo de turistas, também por conta da transversalidade de ministérios.

O Ministério da Infraestrutura e a Agência Nacional de Aviação Civil são grandes parceiros de dia-a-dia e estão junto conosco participando de reuniões importantes com o setor aéreo e com o trade. Já conseguimos fazer obras importantes em reabertura de aeroportos, ampliação de aeroportos e essa luta pelo aeroporto Zumbi dos Palmares é uma luta que já participamos, para que se torne realidade o mais rápido possível.

Temos um grupo de trabalho que já realizou cinco encontros e que faz um levantamento das necessidades para a melhoria da malha aérea brasileira, com a solução de todos os gargalos e participação da Associação Brasileira das Empresas Aéreas (ABEAR), com a International Air Transport Association (IATA) e com o trade todo. Isso está bem evoluído e gerou sugestões de mudanças de lei, de medidas provisórias, que foram apresentadas ao Ministério da Infraestrutura, Ministério do Turismo e demais órgãos de governo.

Muita coisa a mais deveria estar acontecendo em 2020, pois fizemos muito em 2019, também com a intenção também de redução de passagens aéreas e descobrirmos como melhorar os aeroportos secundários, os aeroportos regionais, pois são decisivos para que as passagens possam baixar também. Isso tudo seria resolvido esse ano, mas não está esquecido e será trabalhado assim que tudo voltar ao normal. O turismo vinha crescendo praticamente duas vezes mais do que o resto da economia e esperamos que logo possamos arremeter novamente.

Reprodução da matéria proibida. Somente com autorização e citação do autor.

 

>Link  

Aeroporto de Maragogi é estratégico no cenário pós pandemia
   Mozart  Luna  │     31 de maio de 2020   │     20:00  │  1

Destinos se prepara a retomada em julho e prefeito vem conversando com operadores para dinamizar programação de lazer e cultura, além de incentivar voos charters para o novo aeroporto

“O aeroporto de Maragogi, mais do que nunca, é considerado estratégico para o turismo de toda região Norte de Alagoas”, declarou o prefeito Sérgio Lira, em mais uma entrevista exclusiva ao nosso blog. Segundo ele, esse equipamento aeroportuário será fundamental para retomada das atividades turísticas no novo cenário, que já vivemos neste momento de pandemia do covid-19.

A busca (segundo pesquisas de plataformas digitais de produtos turísticos) por lugares quentes, com muito sol e praias de águas mornas, além de distanciamento de aglomerações urbanos, coloca o Litoral Norte na relação de lugares com esse perfil. “Maragogi preenche esses requisitos, mas com uma vantagem a mais: um aeroporto pequeno sem muita movimentação e muito bem localizado entre duas capitais turísticas que são Maceió e Recife”, disse o prefeito.

Contudo vale ressaltar que a retomada das atividades turísticas em Maragogi, se deve a dedicação, rigor e seriedade que o gestor determinou na aplicação das medidas preventivas de combate ao covid-19. Graças às ações da Prefeitura, Maragogi poderá flexibilizar a quarentena e possibilitar o funcionamento de várias atividades comerciais, como bares, restaurantes e receptivos de passeios locais. Tudo isso paralelamente ao setor de hospedagem, como os equipamento de pequeno porte.

Operadores

Sérgio Lira disse ainda que está conversando com empresário do setor de turismo da região e Brasil, como grandes operadores, mostrando as garantias que os visitantes terão ao visitar Maragogi e região. Segundo ele já está em andamento um protocolo médico-sanitário e manuais de boas práticas para os estabelecimentos que recebem os turistas.

Segundo ainda o prefeito, neste contexto está o aeroporto de Maragogi, que terá condições técnicas para receber voos charters, do Brasil e até internacionais, já que a pista será projetada dentro dos padrões exigidos para tal. “A aérea já está pré-definida pela Secretária de Aviação Civil (SAC) e Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), que para bater o martelo está enviando uma equipe técnica em junho para Maragogi”, disse ele.

“Aeroporto de Maragogi será bastante simples, mas com todos equipamentos necessário a segurança dos voos”, ressalta ele, acrescentando que obra será concluída, pelo menos foi o que os técnicos prometeram, ainda este ano, prevendo a temporada de 2021, considerado o ano da recuperação do turismo.

“As pesquisas realizadas sobre a retomada mostram o perfil de um turista que procura sol, praias e distância de aglomerações”, disse ele, lembrando que o setor de hospedagem que primeiro serão procurados são as pousadas de baixo custo e também de luxo. Para ele os grandes hotéis terão que se reinventar para atender ao novo cenário pós pandemia. “Mesmo que descubram a vacina para o vírus as pessoas vão ter uma conduta a partir de então de cuidado para proteger a saúdo com mais rigor”, disse ele.

O turista será uma pessoa preocupada com tudo, onde estiver hospedado, começando pela quantidade de pessoas no hotel, higienização dos locais de convívio e também com a alimentação (cozinhas), que vez por outra sempre tem registro de problemas com a vigilância sanitária.

“Se achavam que o controle sanitário era rigoroso, agora ser mais ainda”, avisa ele. “Quem estiver dentro dos padrões exigidos não tem o que temer”, destaca o prefeito, alertado que as medidas são até para valorização dos estabelecimentos.

Porto Calvo: Fortim Bassa a maior descoberta arqueológica da América Latina nos últimos dez anos

Centro de Interpretação

Sérgio Lira disse que os turistas que chegaram na retomada ficaram em média de cinco a sete dias. Para isso será preciso do destino oferecer uma programação rica, que vai do lazer pelo dia, com muito sol, praia, mergulho, passeios de bugre, até culturais com visita a locais históricos.

Maragogi fica bem perto de Porto Calvo, uma das cidades histórica mais antigas do Nordeste e polo de iniciação da colonização portuguesa, onde foram travados vários combates com holandeses, espanhóis e franceses. Hoje Porto Calvo possui uma das mais importantes descobertas da história do período chamado “Brasil Holandês”. Trata-se do Fortim Bass, localizado na Ilha do Guedes, às margens do rio Manguaba e com data ainda não definida, mas acredita-se ter mais de 400 anos.

O Fortim Bass é candidato a patrimônio da humanidade, pela Unesco, já que é considerado na descoberta mais importante dos últimos dez anos na América Latina.

Atualmente o prefeito David Pedrosa trabalha um projeto em parceria com o Governo do Estado e o Instituto do Patrimônio Histórico Nacional (IPHAN), para criar um centro de interpretação a céu aberto das batalhas entre holandeses e portugueses. Um complexo com restaurante, barcos para passeio pelo rio Manguaba e um museu e área de comercialização de artesanato.

O projeto envolve também uma Fundação Portuguesa, que já tem know how em interpretação de batalhas lugares históricos na Europa. A vista dos representantes dessa fundação estava agendada para ocorrer em maio, mas devido a pandemia as conversações foram adiadas, mas deverão ser retomadas em julho.

“Vamos nos preparar e a volta por incrível que parece poderá abrir horizontes ainda melhores para indústria do turismo na região Norte e para Alagoas”, finalizou otimista Sérgio Lira.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

>Link  

Grupo Coringa implanta medidas preventivas contra o covid-19
   Mozart  Luna  │       │     14:18  │  0

Gerenciar ações preventiva para preservar a saúde de seus colaboradores tem sido uma prática do Grupo Coringa, desde que iniciou o período da pandemia do covid-19. Segundo Gustavo Freire, gerente de recursos humanos, o Grupo vem seguindo rigorosamente as orientações das autoridades e os decretos de governos para manter o distanciamento entre as pessoas, além de providenciar os meios necessários para garantir a saúde de todos.

Algumas dessas providências estão a disponibilização de álcool em gel em totens nas dependências da empresa; sinalização no solo para aqueles que esperam em filas, sejam o refeitório, batimento do ponto ou dos visitantes. Foram Colocadas também barreiras sinalizando os limites, para evitar que os colaboradores se aproximem uns dos outros, em uma mesma salas.

No refeitório foram colocadas placas de acrílico nas mesas, que eram para seis pessoas e agora são apenas para duas. Elas separam quem está se alimentando. Também estão sendo medindo a temperatura dos colaboradores, na entrada e durante o expediente de trabalho.

A empresa também colocou painéis informativos para alertar sobre a o covid-19 e seus sintomas, para que os colaboradores busquem ajuda, caso apresentem esses sinais. Também foi criado um grupo de whatsApp para que todos possam interagir contribuindo com ideais e informando alguma anormalidade.

O Grupo Coringa também vem realizando ações de apoio emocional aos colaboradores como consulta com psicólogos, para que todos possam externar suas impressões desse momento tão difícil que o mundo passa.

Gustavo Freire disse ainda que essa fase será superada e ficará um aprendizado para uma nova realidade para esse “novo normal” que se vive. “Que Deus abençoe a todos”, finalizou.

>Link