A nova CVC “mostra sua cara”
   Mozart  Luna  │     1 de agosto de 2020   │     12:00  │  1

A nova CVC começa a “mostra sua cara”, com um perfil do mercado financeiro, nomeando três novos diretores todos, com origem na área de bancos e cartões de crédito. Paralelamente a operadora perde executivos com perfil do segmento do turismo, o diretor das unidades B2B, Emerson Belan,  foi mais um semana passada a  “pedir” demissão.

Belan, segundo informações, só deverá deixar o cargo em novembro, mas nada impede de a CVC mandá-lo pra casa antes desse prazo. A operadora vem realizando uma reengenharia de toda sua estrutura, aproveitando o momento da pandemia, que paralisou as atividades, exigindo uma nova forma de abordar o mercado de turismo de uma maneira mais incisiva, buscando lucros maiores através do contato direto com os clientes; entrando em atividades de parceiros, como hospedagem, transfer e até nos passeios locais nos destinos turísticos. A busca é de o lucro 100%.

A empresa se encontra altamente capitalizada, graças a MP do Governo Federal, que permitiu a devolução do dinheiro, fruto da venda dos pacotes turístico no período da pandemia, em 12 suaves prestações aos clientes. Isto possibilitou uma injeção de capital de giro enorme e não revelado pela CVC, o que lhe dá condições de passar até um ano parada, sem ter atividades no mercado de turismo.

Prejuízo

A empresa, vinha protelando a divulgação da auditoria ordinária para seus acionistas,  finalmente informou, mês passados os números com um prejuízo de R$ 300 milhões. Mesmo  assim a CVC conseguiu aporte financeiro de capital na bolsa de valores.

Para os analistas econômico a pandemia teve um papel positivo para CVC, tanto para sua capitalização,;graças a MP de devolução dos valores de pacotes vendidos, como para suspensão de pagamento compromisso financeiro.

A maior operadora da América Latina, se prepara agora para um novo cenário do mercado do turismo, com executivos com perfil  financeiro. O objetivo é aumentar o lucro líquido e não o faturamento, já que domina o mercado latino e vendas, sendo assim vendas  não é problema para essa gigante. O uso das ferramentas tecnológicas é um passo estratégico. Isto fará com que não dependa mais de antigos parceiros e busque contato direto com o cliente, usando o banco de dados que fornecido pelos próprios parceiros.

Internacional 

O mercado doméstico de turismo é o primeiro passo dessa nova CVC, mas depois que implantar esse modelo de operacionalização, a empresa parte para o outro lado do Atlântico, e o alvo será Portugal, um dos destinos internacionais mais procurados no mundo. Portugal deve sair fragilizado da pandemia, com a perda do fluxo de turistas da Inglaterra e outros países da Europa, que já criaram restrições para quem viaja para lá.

Esse momento de fragilidade em Portugal possibilitará a CVC vencer os obstáculos criados, pela política protecionista do governo socialista português, ao mercado doméstico em favor das operadoras lusas.

Diante dessa “Nova CVC”, arrojada, agressiva e com fome de mais lucros, resta aos “antigos” parceiros encontrar uma forma de sobreviver. Uma das alternativas é buscar  ferramentas tecnológicas de vendas e a outra é fazer parcerias com outras operadoras no Brasil e até mesmo em Portugal. “Nunca dependa apenas de um fornecedor em seus negócios”, já dizia seu Matias, dono um armazém de farinha de mandioca, em Arapiraca. Crie um mix de clientes, diversifique sua forma da captação de recursos.

Fonte: tripseek.news

 

 

 

 

 

>Link  

COMENTÁRIOS
1

A área de comentários visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos e que que firam a ética e a moral não serão liberados.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do blogueiro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *