Navio português Funchal vira hotel na Inglaterra
   Mozart  Luna  │     30 de junho de 2020   │     11:15  │  2

 

Um navio fez história na costa brasileira entre as décadas de 60 a 80, com muitas festas a bordo para comemorar aniversário de casamentos e mesmo iniciando o que é hoje famílias que recordam com saudades aquela época de ouro. Trata-se do Funchal.

Salvo do crime de se transformar em um sucata para ferro velho o Funchal é hoje um hotel escola na Inglaterra e aberto a visitação pública.

O navio português Funchal,  com seus 57 anos navegou pelos Oceanos,  deixando muita história para a vida de muita gente em Alagoas, que viajou comemorando aniversário de casamento, lua de mel e até encontrou seu eterno amor.

Construído na Dinamarca, mas com o “sotaque” português, o Funchal era o glamour na costa brasileira, quando chegava trazendo turistas europeus e realizando sonhos de brasileiros, numa época que ainda as viagens aéreas entre os o Velho Continente e as Américas, não haviam superado o conforto e a segurança de estar a abordo de um confortável navio com restaurantes, piscina e cassino e shows.

O Funchal fez história na realização de cruzeiros marítimos no Brasil, marcando presença constante nos últimos 50 anos e foi o único de um triunvirato composto por outros navios como o Vera Cruz, Serpa Pinto e Santa Maria, que deixaram de vir ficando apenas o velho Funchal, navegando pelas costas brasileiras.

Depois de várias reviravoltas e de passar nas mãos de várias empresas o Funchal foi deixado no cais da Marinha em Lisboa, aguardando uma solução quanto ao seu destino, que previa inclusive ser desmontado como sucata.

No Natal de 2012 o comandante António Moraes do velho navio deixou escrito no bordo: “Desembarque”. Ele foi o último a abandonar o navio, seguindo a lei do mar, “com mágoa e tristeza”, depois de ficar com alguns tripulantes a bordo por dois anos no cais da Matinha, em Lisboa. Os tripulantes foram deixando o navio aos poucos. No final, além do capitão, permaneceram a bordo o chefe de máquinas e outros dois.

Sem óleo e sem energia, o navio se transformou em uma embarcação fantasma no cais. E seu fim ocorre justamente quando deveria estar festejando os 50 anos desde o lançamento ao mar, em 1961. Este verão na Europa deveria ser de comemorações, mas está sendo de tristeza para velhos tripulantes e antigos passageiros.

Funchal passando por Fernando de Noronha

Um dos que fez muitas viagens no Funchal é o produtor musical Kau Batalha. O primeiro foi para a Terra do Fogo, no sul da América do Sul. “Foi deslumbrante passar pelos glaciais e ver que o gelo é azul. O fato de ser um navio pequeno pesou a favor por aglutinar todos num mesmo ambiente, facilitando o contato e integrando os passageiros. Uma pequena piscina onde era servido bufê, o salão principal onde aconteciam os shows e brincadeiras e uma boate na proa, que balançava muito. O tratamento cordial e atencioso da tripulação portuguesa não teve paralelo em outros navios em que viajei”, relatou ele.

Depois, ele fez um cruzeiro ao Prata, ainda como turista, e foi convidado a fazer parte da banda do navio após ter se apresentado, ao violão, na noite “O turista é o artista”. “Embarquei de imediato para novo cruzeiro ao Prata como músico. Depois fui convidando os amigos para tocar comigo: Teco Cardoso, Michel Freidenson, Paulo Silvares, Silvinho Mazzuca, Jarbas Barbosa, Silvio…E aí vieram cruzeiros para Amazônia em 1982 e 1985, este em lua de mel, e Carnaval em 1983. Tenho o cartão de embarque de um outro cruzeiro para o Nordeste, mas sem a data”, conta ainda ele.
Kau Batalha estava apreensivo ao saber do fim próximo do navio: “Foram os melhores anos da minha vida, uma experiência única que tive o prazer de proporcionar também para meus amigos”, disse o produtor musical que tentou ainda fazer uma campanha – “Salvem o Funchal!”.

O despachante aduaneiro Laire José Giraud diz que o Funchal está entre os cinco melhores navios de cruzeiros dentre os que conheceu nos últimos 20 anos. “A bordo desse simpático navio, participei de dois roteiros. O primeiro teve partida de Recife, com chegada em Salvador e escalas em Fernando de Noronha, Ilhéus e Porto Seguro. O segundo teve partida em Buenos Aires, na Argentina, com destino a Santos, passando antes por Punta del Este, no Uruguai”.

O shiplover Emerson Franco Rocha da Silva resume o que pensa do Funchal: “É um dos meus navios favoritos, por ser um navio pequeno e não ter muitas opções de lazer como os navios grandes, mas era muito agradável, com ótima comida e ambiente acolhedor pois a tripulação predominantemente portuguesa tratava você como se fosse um hóspede na casa deles, e era muito fácil de se fazer várias amizades. O fato de ser pequeno incomodava um pouco os mais sensíveis aos balanços do mar. Era o típico navio para quem é marinheiro mesmo!!!”, enfatiza ele.

Trouxe Pedro Primeiro de volta

O Funchal trouxe ao Brasil os restos mortais do proclamador de nossa independência e primeiro imperador, Dom Pedro I em 1972, nas comemorações do sesquicentenário da Independência. Seus restos estão na cripta do Monumento à Independência, no Museu do Ipiranga, em São Paulo. O Funchal foi também o desbravador dos roteiros no arquipélago Fernando de Noronha, em dezenas de viagens entre 1990 e 2003. A bordo, as famosas “Noites Portuguesas” com arraial, sardinhas assadas e bolinhos de bacalhau.

Como dissemos o Funchal foi construído na Dinamarca, por encomenda da Empresa Insulana de Navegação, e lançado ao mar a 10 de fevereiro de 1961. No início fazia a linha entre Lisboa e as ilhas da Madeira e dos Açores. Tinha a seu lado, na frota, os famosos Vera Cruz, Santa Maria e Príncipe Perfeito. Tem 154 metros de comprimento e capacidade para 651 passageiros, em 241 camarotes. Seus famosos conveses se chamam Navigators, Promenade, Açores, Madeira, Algarve e Estoril.

Em 1974 o navio foi vendido para a Companhia Portuguesa de Transportes Marítimos, que faliu dez anos depois. Em 1975 o navio foi comprado em leilão pelo armador grego George Potamianos, da Arcalia Shipping e da Classic International Cruises. Foi remodelado em 1995 e em 2003.

Em 2010 parou em Lisboa para novas mudanças na área de segurança, por exigência de convenções internacionais, mas o dinheiro acabou, o navio sofreu um princípio de incêndio em março do ano passado e o empresário morreu em maio, deixando a empresa a seus filhos, que tiveram outros quatro navios da companhia arrestados em portos europeus.

Dos males o menor, já que o histórico e lendário Funchal vai para Inglaterra servir de hotel escola e não terá o fim de seus irmãos que foram “esquartejados” para servir de sucata. Resta aguardar para que ele seja reformado e passe a receber os turistas para visitação.

 

 

 

 

>Link  

COMENTÁRIOS
2

A área de comentários visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos e que que firam a ética e a moral não serão liberados.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do blogueiro.

  1. Angelina Tavares Duarte

    Dizia o meu pai,José de Matos Tavares, quando era vivo, que tinha ido buscar o paquete funchal á Dinamarca, tambem me falou no santa maria e no Vera cruz
    Deliciava-me a ouvir as estórias que ele me contava. Que saudades das suas peripécias, cheguei a ver o paquete Funchal nas docas da 24 de julho e achei lindissimo

    Reply
  2. Regina

    Viajei no querido Funchal através do Estreito de Magalhães… que viagem! Fomos até Ushuaia… e hoje foi meu dia de recordações… Que bom descobrir que “meu navio” não será maltratado, ele não merece…
    Obrigada por sua gentileza em me deixar mais feliz!

    Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *