Hoteleiro alagoano apresenta proposta para salvar o setor
   Mozart  Luna  │     20 de maio de 2020   │     21:48  │  3

O setor hoteleiro em Alagoas é um grande gerador de postos de trabalho direto e indireto, principalmente em Maceió, Marechal Deodoro, Barra de São Miguel Maragogi, Arapiraca, Penedo e Piranhas.

A pandemia do covid-19 literalmente paralisou toda a atividade do setor, que fechou as portas no início de abril e não tem data para reabrir, pelos menos nos próximo 60 ou 90 dias. Será um período de muitas incertezas, apreensões e expectativa, que exige do empresariado sangue frio, planejamento e foco para formular maneiras de sobreviver ao período de fechamento e retornar as atividades.

Nosso blog procurou novamente ouvir a opinião de um dos empresários mais experientes do setor hoteleiro, com mais de 20 anos na hotelaria, e com uma visão clara do mundo do turismo e também financeiro. Trata-se de Elionaldo Magalhães, que já exerceu vários cargos no alto escalão do Governo Federal e Estadual.

Atualmente é proprietário do Marinas Maceió Hotel, localizado na orla marítima da capital alagoana, mas também com atividades empresariais em Portugal e nos Estados Unidos.

Para Elionaldo Magalhães o momento é se preparar para um cenário que ainda está se formando e que deve estar totalmente pronto em 120 dias. Em um documento enviado ao Maceió Convention e ao Sindicato dos Hotéis, o empresário faz um relato fiel de como o setor deveria enfrentar a crise, e aponta soluções para que se possa ter uma saída.

As propostas foram bastante elogiadas por todos do grupo empresarial hoteleiro, mas até agora, segundo apurou o blog, os representantes das entidades ainda não levaram a frente as propostas, apresentando ao Governo Estadual, Federal e aos prefeitos.

No documento o empresário pede a prorrogação do prazo das Medidas Provisórias (MP) do Governo Federal ( uma já foi atendida ), prorrogando por mais 90 ou 120 dias as medidas econômicas de crédito bancário para financiar a folha de salários, e a possibilidade de suspensão de contratos de trabalho, para a preservação dos empregos do setor hoteleiro, alongamento de prazos de  pagamento de taxas e impostos.

O empresário sugere celeridade na análise das solicitações de crédito dos empresários por parte das instituições bancárias em dar uma resposta a solicitação de crédito aos empresários. Segundo ele os bancos deveriam facilitar o acesso às linhas de crédito, reduzindo prazos de análises dos pedidos de empréstimos e reduzindo a burocracia, principalmente para capital de giro e adoção de medidas médico-sanitárias. Segundo pesquisa realizada pelo Sebrae os bancos têm negado crédito a 65% dos empresários que solicitaram.

Aos municípios o documento elaborado pelo empresário propõe às Prefeitura baixar medidas para ajudar o setor. Entre elas conceder em caráter de urgência a redução de no mínimo 50% da alíquota para todos os itens, que fazem parte da operacionalidade da hotelaria, tais como: ISS, IPTU, TAXA de recolha da coleta do lixo, e demais taxas e contribuições.

Ao Governo do Estado de Alagoas, propõe também que seja concedido em caráter de urgência a redução de no mínimo 50% da alíquota para todos os itens, que fazem parte da operacionalidade da hotelaria, tais como:  redução da alíquota da energia elétrica, telefone, água, gás e demais taxas e contribuições cobradas pelo estado.

O empresário afirma que somente com a ajuda de crédito bancário, para preparar as instalações dos hotéis e pousadas, no modelos dos protocolos para receber o selo de segurança sanitária pós covid-19 e a redução de tributos, por um período a ser definido, o setor hoteleiro em Alagoas poderá manter os empregos e voltar a funcionar, normalmente, pois o inicio da retomada das operações de antes da pandemia, embora O SETOR ainda terá que enfrentar uma dura negociação com operadoras de turismo e plataformas de vendas, sobre valores de tarifas,  assim como a concorrências de antigos aliados como a CVC, que anunciou que vai atuar também na atividade de hospedagem com uma plataforma semelhante ao Airbnb.

>Link  

COMENTÁRIOS
3

A área de comentários visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos e que que firam a ética e a moral não serão liberados.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do blogueiro.

  1. Michael Chinelato soares

    Boas propostas, precisando somente estas, serem estendidas a toda a cadeia do Turismo, por exemplo, temos todas as agências de viagem emissoras e receptivas passando enorme dificuldades com tudo parado, guias de turismo da mesma forma, não adianta o turismo querer sair dessa crise, pensando somente nos hotéis e/ou nas cias aéreas que por serem maiores e mais organizados conseguem uma melhor interlocução com os entes federados, mas, deixando setores menores ao relento

    Reply
  2. Marcos Ramalho

    A diminuição de custos é ação necessária, mas nada se resolve se não encontrar resposta a entrada de capital através dos serviços oriundos do segmento. Numa mesa redonda poderão ser encontras as respostas e um bom protocolo para se levar ao Governador. Eu aceito participar desse possivel encontro e levar minhas sugestões.

    Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *