CVC pode se tornar concorrente da hotelaria
   Mozart  Luna  │     19 de maio de 2020   │     11:00  │  11

 

A maior operadora de turismo da América Latina pode se tornar também na maior concorrente do setor hoteleiro e de agentes e viagens, que têm sido seus parceiros em toda sua existência. Esse temor é comentado nos bastidores da atividade de turismo no Brasil, depois que a empresa anunciou através de seu novo CEO, Leonel Andrade, oriundo do mundo financeiro.

Andrade anunciou a criação de uma poderosa plataforma digital de vendas, para chegar diretamente aos clientes finais e também a entrada no mercado de hospedagem, através da outra plataforma concorrente a AIrbnb, a BHC que foi adquirida pela CVC Corp.

A proposta da BHC é oferecer a famílias casas (mansões), com todos serviços de criadagem, em destinos turísticos, para um público seleto (luxo), que deseja ter privacidade. O produto ganha o reforço do atual cenário de pandemia e deverá atrair também outros públicos, devido a necessidade do distanciamento social, para segurança da saúde.

Em Alagoas destinos turísticos como a Barra de São Miguel e a rota de Charme, no Litoral Norte, assim como todo esse segmento, deverão ainda este ano, sentir de perto o efeito dessa nova ferramenta digital da CVC.

Esses destinos de charme possuem imóveis dentro do perfil do projeto da operadora e que segundo uma fonte, teria enviado a Alagoas, um “olheiro” para avaliar o inventário de imóveis existentes para serem cadastrados na plataforma BHC.

A princípio, segundo um empresário da hotelaria alagoana, esse novo produto da CVC não deve afetar a retomada, até que porque tem muita remarcação a ser cumprida, mas com certeza a médio prazo vai ser tornar um concorrente, principalmente com o medo das pessoas com a relação ao covid-19.

“O cliente vai escolher um imóvel reservado, com os serviços de alimentação, limpeza e até recreação”, disse o empresário, que é parceiro da Operadora e que por isso não quer ser expor. “Só resta saber o valor das diárias que serão oferecidas, para nos preparar para esse novo cenário”, declarou o empresário, que ficou contente com a informação, dada por nosso blog, sobre o posicionamento das companhias aéreas American Airline e Delta, que apontam que os agentes de viagens como  atores muito importantes para retomada das atividades turísticas.

“Se a CVC se tornar nossa concorrente, vamos nos unir aos agentes de viagens independentes e formar uma grande rede de oferta. Será muito bom para o cliente, afinal terão boas opções de escolha”, finalizou ele.

 

 

>Link  

COMENTÁRIOS
11

A área de comentários visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos e que que firam a ética e a moral não serão liberados.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do blogueiro.

  1. Riva

    Só achei bem estranho o termo criadagem, parece que os escravos vem junto na hora de alugar as mansões 🧐.
    Toda concorrência é bem vinda, faz com que todos se reinventam!

    Reply
    1. Liduina Chavrs

      Muito bacana. Mais uma opção para o turismo de luxo. Mas concordando com o comentário da Riva,o termo ” criadagem” me pareceu bastante antagônico á proposta. Deu vontade de desistir de continuar a ler o texto.

      Reply
      1. Mozart Luna Post author

        Leia e enriqueça seu vocabulário. O hábito da leitura traz para as pessoas a oportunidade de adquirir cultura e crescer intelectualmente. Continue sendo uma leitora ou leitor de nosso blog e evolua culturalmente.

        Reply
    2. Mozart Luna Post author

      A palavra criadagem está corretíssima e significa criados e ou criadas que fazem parte da equipe de trabalho doméstico de um residência ou estabelecimento de hospedagem.

      Reply
  2. lorenzo

    temos que criar uma plataforma digital de hoteis indepentes e financiar ela com a metade das commissoes pagas para CVC e outras operadoras que parece tem a boca maior que os olhos desfrutando todas as pequens e medias empresas hoteleiras do Brasil.

    Reply
  3. Marcos Andrade

    Ao meu ver Leonel deseja atingir um público muito seleto de viajantes e clientes qual a CVC até o momento não consegui fazer, é estratégia muito perspicaz, porém, quando falamos de alto luxo ou público AA++ com serviços apresentados neste texto a CVC não possui tal expertise e teria que mudar não somente o foco mas como toda sua estrutura operacional porque no Brasil há um clube seleto de Agências de Luxo credenciadas como Virtuoso e as regras para associação são completamente diferentes das utilizadas pela CVC.

    Com relação a palavra criadagem o termo correto na Hotelaria para serviços de atendimento VIP é Concierge, mas meu caro Mozart por não ser da área desconheça tais especificidades e particularidades.

    Reply
  4. FSilva

    Há tantos termos que podem ser utilizados em vez de criadagem, né. Precisamos parar de usar termos oriundos de uma época que remete dor e sofrimento. Não é porquê consta em dicionários que devemos considerar certo e usá-las como bem entender. Sabe-se que o nosso vocabulário ainda é extremamente preconceituoso, cabe a nós ter esse cuidado na reeducação das palavras e termos apresentados pela sociedade de modo geral.

    Reply
    1. Mozart Luna Post author

      Trata-se de liberdade de expressão, com o cuidado de não ferir ninguém. Nem aqueles que ainda guardam traumas do passado. O mundo, evolui e a liberdade de expressão é um dos grandes avanços.

      Reply
  5. MARCOS

    TAMBEM ACHO QUE A PALAVRA CRIADAGEM ESTA CORRETA, TEM MUITAS PESSOAS QUE TENDE A QUERER GANHAR VISIBILIDADE NA REDES SOCIAIS LEVANTANDO ASSUNTOS QUE CONTRIBUI SO EMPOBRECER NOSSO BRASIL.

    Reply
  6. Jonas Finazzi

    Mais uma vez é mostrado aos agentes de viagens que há anos os hotéis estão se lixando pro trade, bem como a CVC, que vem surfando a crista dessa onda!

    Reply
  7. Matt

    Concordo. Criadagem me fez pensar seriamente em desistir de continuar a leitura. E falo por muitas pessoas que comentaram a mesma coisa. Dicionário contempla muita coisa, mas não significa que não é ofensivo a determinadas pessoas.
    Sugiro fortemente mudar o termo, pois isso remete à dor e sofrimento, que provavelmente não é o caso do autor.
    Como sociedade devemos ter um pouco mais de EMPATIA, e menos resistência aos toques das pessoas que se sentem ofendidas. Isso serve para o autor e para alguns leitores que concordam com ele.

    Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *