IATA não aceita protocolo que deixe cadeira vazia nos aviões
   Mozart  Luna  │     6 de maio de 2020   │     16:28  │  0

A entrevista com o presidente do Maceió Convention Bureau Glênio Cedrin, para o nosso blog teve uma grande repercussão dentro do trade e também do Governo do Estado e municípios destinos turísticos. O empresário aponto dois itens primordiais para que a atividade turística volte ao normal e consigamos da salvar o turismo ainda em 2020: oferta da malha aérea e o estabelecimento de um certificado médico de saúde.

A visão clara do presidente do Maceió Convention demonstra seu vasto conhecimento da atividade e dos mecanismos como funciona e é neste fogo que os países do chamado primeiro mundo, que inclusive estão saindo da pandemia do covi-19 estão neste momento debatendo.

E como sempre, nosso blog, graças a parceria como portal europeu tripseek.news (Portugal), conseguiu em primeira mão a informação de que tudo caminha, pelos menos na Europa, para a volta da normalidade nos voos no continente europeu. Contudo o debate agora está sendo travado entre a IATA e os governos.

As autoridades de saúde exigem que a distância entre os passageiros será de uma cadeira vazia. A IATA não concorda com qualquer proposta de exigir que as companhias aéreas mantenham assentos do meio vazios durante a pandemia de Covid-19.

“As evidências sugerem que o risco de transmissão a bordo de aeronaves é baixo”, afirmou o grupo comercial em comunicado. “O uso de máscaras por passageiros e tripulantes reduzirá o já baixo risco, evitando os dramáticos aumentos de custos nas viagens aéreas que as medidas de distanciamento social a bordo trariam”.

A IATA afirma ter  uma pesquisa informal de contatos médicos em 18 companhias aéreas (representando 14% do tráfego global) que revelou apenas três casos de suspeita de transmissão Covid-19 de passageiros para tripulação de janeiro a março, quatro casos de transmissão piloto a piloto e zero transmissões de passageiro a passageiro.

O lobby da companhia aérea também disse que um exame de rastreamento de contato de 1.100 passageiros que foram confirmados como portadores do vírus após viagens aéreas não revelou transmissão entre os mais de 100.000 passageiros nos mesmos voos. Dois casos possíveis foram encontrados entre os membros da tripulação.

A IATA argumentou que existem várias razões possíveis para que voar possa ser mais seguro do que outras formas de transporte. Por um lado, os passageiros olham para a frente com interações cara a cara limitadas.

Além disso, os assentos podem fornecer uma barreira à transmissão. Além disso, as taxas de fluxo de ar são altas e não conduzem à propagação de gotículas como outros ambientes internos, disse a IATA. Ele acrescentou que os filtros de ar particulado de alta eficiência (HEPA) em aeronaves modernas limpam o ar da cabine para a qualidade do hospital.

Apesar da afirmação da IATA, nem todos concordam

A Organização Mundial da Saúde diz que os panfletos infectados podem transmitir um vírus para as pessoas em duas filas de cada lado.  Enquanto isso, um estudo de 2003 no New England Journal of Medicine detalhou um vôo de Hong Kong-Pequim durante o qual os autores acreditam que um passageiro solitário transmitiu o SARS de coronavírus para 22 pessoas a bordo. O Washington Post forneceu um resumo desse estudo em uma história recente.

Juntamente com os requisitos de máscara, a IATA recomendou várias outras medidas temporárias de segurança sanitária, incluindo:

  • Triagem de temperatura de passageiros, funcionários do aeroporto e viajantes.
  • Processos de embarque e desembarque que reduzem o contato com outros passageiros ou tripulação.
  • Limitar o movimento dentro da cabine durante o voo.
  • Limpeza da cabine mais frequente e mais profunda.
  • Procedimentos de catering simplificados que reduzem o movimento da tripulação e a interação com os passageiros.

O grupo comercial disse que a tarifa média para voos na América do Norte em 2019 foi de US $ 202, o que fez com que a taxa de ocupação média fosse 75%. Se os fatores de carga máxima fossem reduzidos por meio de um mandato para bloquear os assentos do meio, os preços médios dos ingressos teriam que aumentar para US $ 289 para atingir o nível de equilíbrio.

Contribuição portal tripseek.news

>Link  

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *