Monthly Archives: maio 2019

Novo presidente da Embratur é o pernambucano Gilson Neto
   Mozart  Luna  │     21 de maio de 2019   │     18:39  │  0

O novo presidente da Empresa Brasileira de Turismo (Embratur) é o empresário pernambucano Gilson Machado Neto, que além de ser ex-dono de uma famosa pousada no Litoral Norte de Alagoas é também cantor da banda de forró Brucelose.

O novo presidente da Embratur é médico veterinário e amante da boa música nordestina. Gilson Neto, também fundou duas emissoras de rádios, sendo uma em Alagoas e outra em Gravatá, Pernambuco. O empresário e cantor foi um dedicado cabo eleitoral de Bolsonaro em Pernambuco e atualmente ocupava o cargo de secretário de Ecoturismo no Ministério do Meio Ambiente, já que sempre teve uma grande preocupação com a problemática das tartarugas marinhas, que morrem sufocada com rede de pesca no Litoral Norte de Alagoas.

Gilson Neto chegou a ser cotado para ser ministro do turismo, mas as reviravoltas nos bastidores terminaram tirando ele da relação. A nomeação dele era “cantada” desde semana passada pelos amigos mais próximos, que esperam também ter um espaço na Embratur.

Resta saber agora qual será a reação dos empresários que fazem o turismo no Brasil, já que esperavam serem ouvidos para indicação de um nome com mais experiência na atividade turística, principalmente nas operações internacionais.

Um empresário do setor, que pediu para não se identificar disse que Gilson Neto, não é um nome ruim para o cargo, mas que esperava que a Embratur tivesse alguém com um perfil mais técnico.

Uma das grandes bandeiras levantadas por Gilson Neto, foi a construção do aeroporto regional de Maragogi, prometido há 20 anos por várias lideranças politicas de Alagoas. Com ele agora na Embratur pode ser que essa promessa vire realidade.

Tira bota tira

Com nome publicado hoje no Diário da União, Guimarães Neto substitui o ex-presidente da Turisrio e do Rio CVB, Paulo Senise, que ficou exato seis dias no posto após ter sido escalado pelo presidente Jair Bolsonaro.

No hiato da saída de Teté Bezerra até a nomeação de Paulo Senise e, posteriormente no intervalo de cinco dias entre a saída de Senise e a confirmação de Gilson Machado Guimarães Neto, o presidente interino da Embratur foi Leônidas José de Oliveira, ex-presidente da Belotur.

Além da nomeação de Guimarães Neto para o cargo, os decretos presidenciais publicados no Diário Oficial da União de hoje tornam sem efeito a nomeação de Senise. Segundo a Agência Brasil, o Ministério do Turismo deve se pronunciar ao longo do dia sobre as mudanças na pasta.

 

>Link  

ABIH-AL se reúne com prefeitura para debater sobre a taxa do lixo
   Mozart  Luna  │     20 de maio de 2019   │     18:16  │  0

A taxa de lixo encaminhada este ano pela prefeitura de Maceió causou espanto a muitos empreendimentos hoteleiros, pelo valor muito acima do que sempre foi cobrado. A reclamação foi ouvida pela Associação Brasileira da Indústria de Hotéis de Alagoas (ABIH-AL), que marcou uma conversa com o secretário de Economia do Município de Maceió, Fellipe Mamede.

O presidente da ABIH-AL, Milton Vasconcelos, afirmou que o encontro foi bastante positivo e serviu para entender e levar soluções para algumas distorções na cobrança da taxa. “Fomos entender a razão de grande alteração na taxa de lixo de alguns empreendimentos e solicitar as devidas mudanças. Durante o encontro, já conseguimos identificar as possíveis razões e o secretário se comprometeu em dar uma rápida resposta às demandas”, destacou o presidente.

Ele solicita que, os empreendimentos que estiverem insatisfeitos com o aumento da taxa de lixo, mostrando grande disparidade do valor, protocole na Secretaria de Economia de Maceió o caso. “É preciso que os hotéis que se sentiram prejudicados entrem com um pedido de revisão direto na secretaria relatando o aumento, explicando o caso e juntando os documentos necessários que identifique o estabelecimento”, orientou Milton Vasconcelos.

Aos associados que entrarem com o pedido de revisão administrativo devem enviar o protocolo à ABIH-AL pelo e-mail [email protected]  para que possamos acompanhar e cobrar solução célere.

ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO DA ABIH

>Link  

A Braskem vai embora, mas antes pague os prejuízos sociais e ambientais
   Mozart  Luna  │     19 de maio de 2019   │     21:43  │  1

 

Quando se coloca na pauta da discussão, sobre os problemas ambientais causados pela extração de sal-gema, os possíveis prejuízos financeiros que se pode ter com a saída da Braskem, vê logo o grau de insanidade dos defensores desse crime ambiental cometido contra Maceió. O objetivo é que tentar fazer com que essa atrocidade continue sendo cometida em nome do capital.

Colocam na mesma balança o dinheiro e as vidas, além do futuro das próximas gerações é um crime. A pauta deveria ser as formas indenizar a população pelos problemas causados. Se a Braskem vai embora, que vá, mas antes pague pelos danos ambientais e sociais que causou a Alagoas e principalmente a Maceió.

O primeiro passo é fazer o levantamento do passivo ambiental, que a extração de sal-gema deixou e o valor para indenizar as milhares de famílias dos bairros afetados, além dos empreendedores que têm seus negócios instalados nos bairros afetados.

Entretanto a estratégia da contra informação do marketing é inchar os números do “faturamento” da Braskem, para tentar dar legitimidade à atividade de extração da sal-gema.

Graças ao Sindifisco, a verdade está vindo à tona, mostrando que essa empresa tem um participação tributaria pequena para com o fisco e também gera pouquíssimos empregos. Por se tratar de uma atividade altamente perigosa a vida humana e que todo processo de produção é praticamente automatizado.

Os únicos postos de trabalho que realmente gera, são os indiretos sendo que 80% deles pagam salário mínimo, em serviços temporários de manutenção (serviços braçais), que agora são supervalorizados, para justiçar sua permanência.

A fábrica foi instalada em uma região urbana, à pouco mais de 6 quilômetros do centro da cidade, próximo a estádio de futebol, Unidade de Emergência, Corpo de Bombeiros e às praias que são o cartão postal do turismo de Alagoas.

Na época da instalação da unidade de produção de soda caustica, o Brasil vivia sobre a ditadura militar, que tinha como Presidente da Republica o General Ernesto Geisel (que ao sair do cargo assumiu a presidência da Salgema, empresa que na época era dona do empreendimento).

A instalação naquele local foi questionando por vários ambientalistas. Entre os quais estavam jornalistas como Freitas Neto, Anivaldo Miranda,  Ênio Lins, Aldo Rebelo, Denis Agra e os deputados Eduardo Bonfim e Selma Bandeira, que denunciavam o crime que estava cometendo contra Maceió, colocando em risco a vida da população.

É preciso resgatar a história para desmascarar essa estratégia de tentar fazer com que a exploração de sal-gema continue. A população deve focar os objetivos, na busca junto à Justiça dos direitos financeiros que têm e cobrar o Estado e principalmente a prefeitura de Maceió, que unam forças para isso e evitar cair na estratégia de desviar a pauta: indenização já! E compensações de recuperação ambiental.

Sugaram todo o sangue do corpo e agora querem se livrar do cadáver. Se a Braskem vai embora, que se vá, mas antes pague o preço dos danos causados. É hora de um grande movimento surgir em defesa dos reparos ambientais e sociais causados pela exploração de sal-gema.

 

 

 

>Link  

Conheça o melhor wine bar de Portugal
   Mozart  Luna  │     17 de maio de 2019   │     17:30  │  0

 

Os amantes dos vinhos e de lugares românticos e lindíssimos pode se deliciar num pequeno vilarejo medieval em Portugal. Trata-se da Quintadona que possui o melhor wine bar das terras Lusas. A Casa da Viúva tem 350 referências de vinhos que se pode aproveitar em um ambiente impar em toda Europa.

Contudo para aproveitar esse lugar maravilhoso é preciso antes fazer reserva, já que só cabem lá dentro pouco mais de 20 pessoas. Uma mistura de taberna com restaurante refinado. Todo isso num pequeno ambiente muito aconchegante com lareira para espantar o frio gostoso da Península Ibérica.

A Quintadona fica a pouco mais de 30 minutos da agitada cidade do Porto. Um refugio no campo para quem gosta de momentos mais reservados com que gosta. Recheada de história, a aldeia pertence à freguesia de Lagares e ao concelho de Penafiel.

A sua arquitetura é única já que as centenárias casas são feitas de três materiais diferentes: granito, xisto e lousa, que lhe conferem uma personalidade muito própria. Quintandona é marcada por uma bonita paisagem rural que deve ser apreciada percorrendo o caminho que liga a aldeia ao Monte da Pegadinha, e que é simultaneamente um miradouro natural de toda a zona. Demore-se ao longo deste percurso pedestre, observando a bucólica paisagem, os lavadouros tradicionais, a capela com mais de 200 anos e o antigo cruzeiro.

Nesse cenário medieval romântico o teatro tem um espaço para os amantes da encenação. A associação Os ComeDEantes elegeu este local para se inspirar e aqui dinamizar esta arte! Reza a história que o local tende a atrair os viajantes. É que ali perto, a cerca de dois quilômetros, a Citânia do Monte Mozinho-Cidade Morta, considerada a mais extensa da Península Ibérica, terá sido a “Cividade Gallaeci” capital dos Galegos, que aqui terão habitado. Uma ótima altura para visitar a aldeia de Quintandona é no terceiro fim de semana de setembro, data em que todos os anos se comemora a típica Festa do Caldo. Venha provar os caldos tradicionais da aldeia numa viagem às décadas de 50 e 60, quando estes eram a base da alimentação da população rural.

Presunto e enchidos de porco, pão de regueifa, cabrito assado, arroz de forno e, nos doces, pão de ló, pão podre, tortas de Penafiel, leite-creme, bolinhos de amor e tortas de São Martinho são outros pratos típicos que pode degustar, sempre acompanhados da bebida que é um dos ex-líbris do concelho de Penafiel: o vinho verde, sendo o “Wine-Bar Casa da Viúva” o local ideal. Para usufruir em pleno de tudo o que o local tem para oferecer, instale-se num dos três alojamentos rurais da aldeia, a “Casa de Aguieiro” ou a “Casa de Valxisto”.

 Hospedagem de fazer casais suspirar

A Casa Valxisto está localizada em Quintandona, a 13 km de Penafiel e possui uma piscina exterior de beiral infinito e um restaurante à carta. O acesso Wi-Fi gratuito está disponível em todas as áreas desta elegante casa de campo.

Todos os quartos possuem um nome diferente e uma decoração exclusiva inspirada na natureza circundante. Todos os quartos são climatizados e estão equipados com uma televisão de ecrã plano. As casas de banho privativas possuem um chuveiro, produtos de higiene pessoal gratuitos e toalhas. Os hóspedes podem desfrutar de vistas para a montanha e para o jardim a partir de todos os quartos.

Os hóspedes poderão ainda desfrutar de comodidades para reuniões, um salão partilhado e uma sala de jogos. Também poderá desfrutar de uma variedade de actividades nos 2,5 hectares circundantes, tais como passeios de bicicleta, caminhadas e piqueniques. Estão disponíveis bicicletas gratuitas para os hóspedes da Casa Valxisto, sujeitas à disponibilidade.

A Casa Valxisto está situada na aldeia preservada de Quintandona, na área rural a norte de Portugal. O Centro Cultural da Casa do Xiné está apenas a 5 minutos a pé da propriedade, enquanto o Museu Municipal de Penafiel fica a 21 minutos de carro. Esta casa de campo encontra-se a 27 km do Aeroporto Francisco Sá Carneiro.

Esta propriedade também tem uma das localizações melhor pontuadas na Quintandona! Os hóspedes estão mais satisfeitos com ela do que com outras propriedades da mesma área.

Os viajantes individuais gostam particularmente da localização — deram uma pontuação de 9,4 para uma estadia para 1 pessoa.

Este alojamento é recomendado pela boa relação preço/qualidade na Quintandona! Os hóspedes têm mais por menos dinheiro em comparação a outros alojamentos nesta cidade.

Fica a dica. Simplesmente imperdível.

WINE BAR Casa da Viúva

Rua de Quintandona, Penafiel 4560-195 Portugal

+351 912 245 910

 

 

>Link  

Alagoas poderá produzir vinhos no Sertão
   Mozart  Luna  │       │     17:06  │  0

 

A missão de portugueses que visita Alagoas a partir do dia 27 estará em Água Branca, no Sertão a convite do secretário estadual de agricultura, Ronaldo Lessa, para conhecer uma área próximo ao Canal do Sertão, com o objetivo de verificar a possibilidade do plantio de uvas irrigadas para produção de vinhos.

A comitiva estará no local no dia 30 desse mês pela manhã acompanhados de uma comitiva do Governo do Estado. Segundo o secretário Ronaldo Lessa, a região tem tudo para produzir não só uvas, mas outras frutas.  Um dos empresários portugueses, Nuno Mendonça, da empresa Núcleo Inicial possui vasto conhecimento na implantação de vinícolas em Portugal, além de realizar também a comercialização em toda Europa.

Na pauta da comitiva Lusa estão também os principais polos de turismo de Alagoas onde vão realizar workshops para mostrar a experiência portuguesa, que tem demonstrado ser um sucesso no crescimento da atividade turística na Europa.  O convite é do Governo do Estado, através das Secretarias de Desenvolvimento e Turismo, que tem a frente o secretário Rafael Brito e da Secretaria de Cultura, Melina Freitas e da Agricultura, Ronaldo Lessa, com a intermediação da empresa brasileiras MZT COMUNICAÇÃO e Instituto Gestar.

A primeira cidade a ser visitada pela missão portuguesa é Maceió, onde realizam no dia 27 de maio, no auditório do Maceió Mar Hotel workshop sobre tecnologia em favor do turismo e o que o Polo de Tecnologia de Óbidos pode oferecer aos empresários alagoanos para a ampliação da atividade de vendas no mundo, além das experiências realizadas pelo Governo Português que consquistou o título de melhor destino turístico do mundo.

Portugal investiu na restauração do patrimônio arquitetônico, cultura e faz até hoje uma grande divulgação de marketing usando para isso recursos tecnológicos, para atingir os objetivos.

Os empresários e integrantes do Governo de Portugal estarão também nas cidades de Penedo no dia 28 de maio e  em Piranhas nos dias 30 e 31 e em Maragogi de 31 a 2 de junjo com o objetivo de realizar contatos, para viabilizar a implantação de projetos o desenvolvimento nas áreas de tecnologia, turismo, cultura e agronegócios. O Polo de Tecnologia de Óbidos recebeu a proposta para abrigar empresas de alagoanos, que buscam desenvolver projeto de consolidação de negócios, entre o Brasil e a Europa.

 

A comitiva portuguesa terá uma agenda corrida em maio. No primeiro dia (27.05) da visita, os integrantes serão recebidos pelos secretários Rafael Brito, Ronaldo Lessa e Melina Freitas, além dos representantes do trade turístico alagoano, que também estão dando todo apoio necessário a viabilização da vida da missão.

Produção de uvas

A missão portuguesa também vai visitar no Sertão, uma área próximo ao Canal do Sertão, onde se pretende implantar um projeto de cultivo de uvas, para produção de vinho em Alagoas. Além disso os portugueses vão avaliar o potencial turístico na região dos Cânions do São Francisco, isto graças ao apoio da empresa MFTUR e da secretária Melina Freitas e também do deputado Inácio Loiola, que estão viabilizando a visita da missão portuguesa a Piranhas.

O secretário estadual de agricultura, Ronaldo Lessa também acompanhará a missão portuguesa juntamente com o chefe de gabinete Reinaldo Falcão, que é um grande amante dos vinhos e que sonhar levar para as Serras da linda cidade de Água Branca o projeto de instalação de vinícolas.

Maragogi

A última agenda da missão portuguesa será na cidade de Maragogi, segundo polo de turismo de Alagoas. Lá a comitiva vai avaliar também o potencial turístico e realizar um workshop sobre as últimas novidades tecnológicas para o turismo.

A missão portuguesa vai também visita uma destilaria de aguardente de cana-de-açúcar com o objetivo buscar formas de dinamizar a produção de cachaças e viabilizar sua exportação, não só para Portugal como também para toda Europa.

 

 

>Link