Reportagem de 20 anos atrás já denunciava perigos da exploração de sal-gema em Maceió
   Mozart  Luna  │     10 de maio de 2019   │     7:53  │  2

 

O drama que vive hoje milhares de famílias dos bairros do Pinheiro, Mutange e parte de Bebedouro e Farol era uma tragédia anunciada 20 anos atrás por ambientalistas que tive a oportunidade de entrevistar. O alerta foi dado inclusive por especialistas internacionais dos perigos que Maceió sofre com a exploração de sal-gema. Cavernas enormes se formaram embaixo da cidade com perigo inclusive da movimentação das águas da Lagoa de Mundau, sobre a qual ainda não foi realizada avaliação do impacto da movimentação do solo  que existe no fundo.

Tragédias vividas hoje por milhares de famílias poderiam ser evitadas se os governos ouvissem os ambientalistas e levasse em conta os alertas realizados através da imprensa. Atualmente Maceio possui dois grandes problemas com perigo de tragédias envolvendo vidas: o aterro sanitário e os perigos produzidos pelo chorume e o aeroporto com os obstáculos físicos (antena de operadora de celular e prédios)  que colocam em risco todos os dias os voos

Abaixo na integra a matéria publicada realizada por mil há 20 anos e publicada no extinto jornal O Diário.

” A FÁBRICA DA BRASKEM EM MACEIÓ É A MESMA DE BHOPAL NA ÍNDIA ONDE MORRERAM OITO MIL PESSOAS.


Por Mozart Luna.

A planta da fábrica da Braskem em Maceió é a mesma que funciona em Bhopal na Índia e lá ocorreu um das maiores tragédias com indústrias químicas no mundo. Quando na época que a antiga Salgema se implantou em Maceió, no setor urbano que enfrentou o alerta dos ambientalistas, que tinham a frente jornalista Anivaldo Miranda, Freitas Neto, Selma Bandeira, Eduardo Bonfim, Denis Agra, Ronaldo Lessa e tantos outros. 

O Sindicato dos Jornalistas foi uma das entidades que mais combateu a implantação da industria da Salgema, no Pontal da Barra.
A instalação da Salgema tinha sido realizada por imposição do regime militar, que tinha como presidente da Republica o general Ernesto Geisel e o governador Divaldo Suruagy. 

Os técnicos apontavam para localização errada e perigosa da Salgema e os prejuízos que ela poderia causar a população de Maceió, Marechal Deodoro, Barra de São Miguel e Pilar.

Valeu a força do regime militar e além da fábrica foi construído um porto artificial na praia do Pontal da Barra, o único porto particular do Brasil. O general Ernesto Gesiel, depois que saiu da presidência assumiu a superintendência da Salgema, num claro ato de oportunismo. 

Lembro-me ainda que a industria para fazer calar o clamor dos ambientalista e o erro da instalação da fábrica em área urbana, calou a imprensa. Bancou ações “sociais”e como rolo compresso calou a mídia. Em Bhopal foram 8 mil vítimas fatais.

Paralelamente a tudo isso outro alerto foi realizado pelos ambientalistas o aviso de que os grandes buracos que estão sendo formados no subsolo da cidade de Maceió, com a retirada do salgema, seria utilizado para deposito de lixo radioativo. Pelo menos até hoje isso não foi feito, mas existe dentro dos planos da empresa “vender” esses espaços vazios para colocar material radioativo.

Na madrugada entre dois e três de dezembro de 1984, 40 toneladas de gases letais vazaram da fábrica de agrotóxicos da Union Carbide Corporation, em Bhopal, Índia. Foi o maior desastre químico da história. Gases tóxicos como o isocianato de metila e o hidrocianeto escaparam de um tanque durante operações de rotina. 

Os precários dispositivos de segurança que deveriam evitar desastres como esse apresentavam problemas ou estavam desligados.

Estima-se que três dias após o desastre 8 mil pessoas já tinham morrido devido à exposição direta aos gases. A Union Carbide se negou a fornecer informações detalhadas sobre a natureza dos contaminantes, e, como
conseqüência, os médicos não tiveram condições de tratar adequadamente os indivíduos expostos.

Mesmo hoje os sobreviventes do desastre e as agências de saúde da Índia ainda não conseguiram obter da Union Carbide e de seu novo dono, a Dow Química, informações sobre a composição dos gases que vazaram e seus efeitos na saúde.

Infelizmente, a noite do desastre foi apenas o início de uma longa tragédia, cujos efeitos se estendem até hoje. A]Union Carbide, dona da fábrica de agrotóxicos na época do vazamento dos gases, abandonou a área, deixando para trás uma grande quantidade de venenos perigosos. A empresa tentou se livrar da responsabilidade pelas mortes provocadas pelo desastre, pagando ao governo da Índia uma indenização irrisória face a gravidade da contaminação.

Hoje, bem mais de 150.000 sobreviventes com doenças crônicas ainda necessitam de cuidados médicos, e uma segunda geração de crianças continua a sofrer os efeitos da herança tóxica deixada pela indústria.

Foto ilustrativa sobre as gigantes cavernas que ficam no subsolo depois da extração da sal-gema

O Desastre. 

Na noite do desastre, as seis medidas de segurança criadas para impedir vazamentos de gás fracassaram, seja por apresentarem falhas no funcionamento, por estarem desligadas ou por serem ineficientes. Além disso, a sirene de segurança, que deveria alertar a comunidade em casos de acidente, estava desligada.

Os gases provocaram queimaduras nos tecidos dos olhos e dos pulmões, atravessaram as correntes sangüíneas e danificaram praticamente todos os sistemas do corpo. Muitas pessoas morreram dormindo; outras saíram cambaleando de suas casas, cegas e sufocadas, para morrer no meio da rua. 

Outras morreram muito depois de chegarem aos hospitais e prontos-socorros. Os primeiros efeitos agudos dos gases tóxicos no organismo foram vômitos e sensações de queimadura nos olhos, nariz e garganta, e grande parte das mortes foi atribuída a insuficiência respiratória. 

Em alguns casos, o gás tóxico causou secreções internas tão graves que seus pulmões ficaram obstruídos; em outros, as vias aéreas se fecharam levando à sufocação. Muitos dos que sobreviveram ao primeiro dia foram diagnosticados com problemas respiratórios. 

Estudos posteriores com os sobreviventes também apontaram sintomas neurológicos, como dores de cabeça, distúrbios do equilíbrio, depressão, fadiga e irritabilidade, além de danos nos sistemas músculo-esquelético, reprodutivo e imunológico”.

Cumprimos nosso dever como profissionais de jornalismo, faltou que desse eco as providências, mas nem por isso recuamos de nosso compromisso e continuamos denunciando dos crimes ambientais cometidos.

>Link  

COMENTÁRIOS
2

A área de comentários visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos e que que firam a ética e a moral não serão liberados.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do blogueiro.

  1. Lucas vital Minin de lins

    Muito bem feita a sua comparação, é preocupante a braskem aqui de Maceió porque assim como na índia ela pode matar ate mais do que 8.000 mil pessoas… Sou morador do pontal da barra, e uma das coisas que eles mais fazem é encobrir os vazamentos de cloro, como o poder aquisitivo da mesma é muito forte, ela compra “autoridades” e a imprensa também.

    Reply
  2. Nelson

    Alagoas vive o momento mais crucial de sua história !
    O momento requer muito esforço, união, compreensão, por parte de seus políticos…. coisa que dificilmente ocorrerá ! A vaidade, os interesses políticos partidários, inviabilizam praticamente esse diálogo. Nossos políticos estão mais preocupados com o Lula livre, e salvar suas peles queimadas por dezenas de processos que correm na Justiça, que com os dias tempestuosos que fizeram tremer o solo Alagoano… levando um oceano de incertezas e sofrimento a dezenas de milhares de Alagoanos.

    Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *