Conorte escolhe área para transbordo e anuncia fim dos lixões
   Mozart  Luna  │     7 de outubro de 2017   │     13:22  │  0

 

O presidente do Consórcio Intermunicipal de Resíduos Sólidos do Norte (Conorte), o prefeito David Pedrosa (PMDB), visitou a área onde será instalada a estação de transbordo dos municípios do que consorciados. A área fica em Porto Calvo já que o município está eqüidistante dos outros.

A estação de transbordo é um local devidamente preparado para transferência dos resíduos recolhidos pela coleta nos municípios consorciados, nas carretas que levarão o lixo para a Central de Tratamento de Resíduos (CTR), localizada no Pilar. De acordo com o presidente do Conorte, David Pedrosa, está ação vai possibilitar o cumprimento do decreto presidencial 12.305/10, que determinou o encerramento dos lixões em agosto de 2014.

 

Estação de transbordo

Segundo ainda o presidente do Conorte, David Pedrosa, a instalação da estação de transbordo foi a forma mais econômica de cumprir a lei já que para criar um aterro sanitário, seria muito mais caro e teria um custo aproximado de R$ R$ 20 milhões, além de levar cerca de três a quatro anos para funcionar, depois de cumprir todo o tramite burocrático para obter o licenciamento ambiental.

David Pedrosa disse ainda que analisou todas as alternativas para encerrar o lixão de sua cidade e destinar de acordo com a legislação ambiental os resíduos e discutiu com os consorciado. Segundo ele depois de fazer as contas “na ponta do lápis” fica mais barato e rápido instalar uma estação de transbordo e transportar os resíduos para a CTR no Pilar.

“Em pleno 2017 não se pode mais tolerar que o meio ambiente e a população sofra com o destarte irregular de lixo. Mas ao mesmo tempo a prefeitura não tem condições financeiras de resolver. Com o consórcio, vimos que a construção do transbordo para uma destinação final correta é a alternativa mais viável. Assim, colocamos fim aos lixões e todos saem ganhando: população e meio ambiente”, destacou. Estão previstas duas áreas para transbordo, sendo que uma já está em fase de projeto, deve ser inaugurada até o final do ano.

Atualmente em Alagoas existem quatro locais certificados para operar como aterro sanitário: em Maceió, Pilar, no Agreste em Arapiraca e no Sertão em Olho D Água das Flores. O decreto presidencial 12.305/10 determinou o encerramento de todos os lixões no Brasil, desde agosto de 2014 e até hoje pouco mais de 30% dos municípios brasileiros estão cumprindo a Lei Federal, embora mais de 50% já foram notificados estando os gestores respondendo por crime ambiental, em processo penal como pessoa física (CPF) e com seu patrimônio pessoal podendo ser penhorado. Para os reincidentes cabe de cinco meses a seis anos de cadeia.  Em Alagoas mais de 50% dos municípios ainda estão com seus lixões abertos e os prefeitos propensos a responder pelo crime ambiental

>Link  

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *