As delicias do São Francisco em Penedo, misturando arte, cultura e gastronomia
   Mozart  Luna  │     16 de setembro de 2017   │     5:25  │  0

 

A bela cidade dos sobrados, Penedo, proporciona aos visitantes a oportunidade de provar de da culinária ribeirinha que vai desde os exóticos pratos de jacaré e a temida piranha, até o surubim ensopado e a pilombeta frita. A cidade dispõe de bons restaurantes, instalados em locais lindos e bem caraterísticos da historicidade que a bela Penedo proporciona a quem gosta de arte, cultura e rio São Francisco.

Penedo é uma volta ao passado, que conta um pouco da história do Brasil e de Alagoas, considerada a mais bela de todo São Francisco, que cenário serviu de gravação de vários filmes e seriados nacional.

Mas vamos trazer hoje para nossos leitores dois restaurantes bem típicos instalados em locais privilegiados em Penedo. O primeiro é o tradicionalíssimo Forte da Rocheira, que comemora 36 anos de funcionamento, talvez o restaurante mais antigo de Alagoas. A história do Forte da Rocheira é feita de glamour.

Construído sobre uma rocha, fato que se ocorresse hoje não poderia ter sido realizado, devido as rígidas leis ambientais vigentes. Mas graças ao tempo temos hoje esse belo e romântico restaurante, instalada em um local único, de frente para o rio São Francisco.

Inaugurado por Glória Menezes

Sua inauguração ocorreu em 1981 pela atriz Glória Menezes, durante o Festival Nacional de Cinema, que sempre ocorria em Penedo, até se mudar para Gramado no Rio Grande do Sul. Um fato que até hoje ninguém consegue explicar.

Segundo o gerente Argemiro Gonzaga, que comandou a casa durante até se aposentar a Rocheira, como é chamado carinhosamente sempre foi o restaurante mais charmoso de Alagoas e procurado pelas estrelas do cinema nacional. “Nestas cadeiras sentaram os atores e atrizes mais famoso do Brasil como Tarcísio Meira, Vera Ficher, Francisco Cuoco e tantos mais”, relata ele.

Argemiro disse que havia um painel com fotos dos famosos que frequentavam o restaurante Forte da Rocheira, mas que o tempo estragou. Entretanto o local ainda é bastante procurando pelos turistas, que desejam um ambiente romântico e também provar o tradicional jacaré, prato mais consumido do cardápio. O jacaré servido é oriundo de um criatório em Maceió e é autorizado sua comercialização pelos órgãos ambientais.

Forte Príncipe Nassau

O restaurante Forte Príncipe Nassau é outro grande restaurante instalado no centro histórico da bela cidade de Penedo. Localizado do lado do Palácio Municipal e na Casa da Aposentadoria, onde há 400 anos estava um forte construído pelos holandeses durante o período do Brasil holandês.

O restaurante Forte Príncipe Nassau possui um terraço para o rio São Francisco que proporciona um belíssimo pôr do Sol. Lugar lindíssimo que não deve deixar de ser visitado por quem vai a Penedo. No cardápio estão também o tradicional jacaré e a piranha, mas atualmente o mais pedido é o camarão gigantes da Malásia ensopado com pirão.

Esse prato veio para substituir o saboroso pitú do São Francisco, cuja captura está proíbida há muito tempo. O camarão da Malásia é produzido em cativeiro por um empresário chinês, Lian Fang, que se instalou em Igreja Nova e vem suprindo o mercado consumidor de Alagoas.

Segundo Lian Fang, um dos projetos dele é criar também piranha em cativeiro O prato tem sido muito procurado já que existe o comentário de que é afrodisíaco., entretanto os pescadores têm medo de pescar esse peixe carnívoro.

Capela de Nossa da Corrente

 

Depois de saborear um jacaré, piranha, pilombeta e o camarão gigante é hora de fazer a digestão descendo a ladeira em direção a orla fluvial para visitar a belíssima capela de Nossa Senhora da Corrente, considerada por um diretor do meus do Louvre, na França em Paris, a mais bela do mundo.

A capela foi construída em 1765,( 253 anos) por uma família tradicional portuguesa antiescravagista, que abrigava negros que fugiam dos engenhos. Em um dos alteares laterais existe uma porta falsa onde se escondiam cerca de 4 pessoas adultas. Os abolicionistas falsificavam cartas de alforria, documento que dava a liberdade a esses ser humanos submetido a uma das piores condições humanas.

O Brasil foi o último país do mundo a abolir os escravos, constituindo em das vergonhas de nossa história, devido a ganância dos senhores de engenho e as oligarquias agrária, que enriqueceu às custas do suor e do sangue dos negros. Uma dívida moral e espiritual que ainda não foi paga.

A capela de Nossa Senhora da Corrente possui todos os detalhes da riqueza e da sofisticação da época, com seu piso trazido parte de Portugal e parte da Inglaterra. Mas a riqueza da capela está também nos 11 painéis de azulejos, também português, que contam a história de Jesus de Nazaré, com detalhes e traços perfeitos de um artista desconhecido, mas que impressiona especialistas.

Hoje a Capela de Nossa Senhora da Corrente está aberta para visitação pública gratuitamente no horário de 8 às 16 horas de terça-feira a sábado 9 às 16 horas e no domingo das 9 às 15 horas.

ASSISTA A REPORTAGEM NO PROGRAMA CONHEÇA ALAGOAS DA TV MAR

 

>Link  

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *