Monthly Archives: agosto 2017

Joias e moedas atraem ‘caçadores de tesouro’ em Piaçabuçu
   Mozart  Luna  │     30 de agosto de 2017   │     22:15  │  0

 

A notícia do achado do “tesouro da Praia do Peba” vem provocando uma grande movimentação em Piaçabuçu, desde essa quarta-feira. O local onde foram encontradas as moedas na Praia do Peba, ponto conhecido como Massapê, tem sido visitado por dezenas de populares que chegam em busca de colher algumas das relíquias que apareceram no local, como moedas e joias – brincos e pulseiras de ouro e pedras.

Outro fato que deixou os moradores do povoado de pescadores intrigado é o de que, junto com as moedas e joias, também foram encontradas conchas e caracóis que não são da região, sendo característicos de água doce, de rios e lagoas.  O fato pode ser um indício de que o mar avançou e teria tomado parte do continente, ocupando uma parte urbana do povoado.

Para exemplificar essa hipótese, basta lembrar o que ocorreu do outro lado da Foz do Rio São Francisco, onde havia o povoado do Cabeço, que foi totalmente engolido pela Oceano Atlântico, que levou não só a cidade, como o cemitério e o farol do Cotegipe, todo em bronze, que está abandonado dento do mar, e que agora é chamado de “o fantasma” do São Francisco.

Segundo Tony Madson, morador do Peba, novas moedas vêm surgindo todos os dias com o movimento da maré.  “Tudo começou com as fortes chuvas e a chegada do vento leste que ‘assanhou o mar’, fazendo ele descobrir esse solo argiloso que estava embaixo da areia da praia”, disse ele.

“Quando a maré baixou, vimos que havia alguma coisa brilhando entre as águas e foi aí que descobrimos dezenas de moedas”, relatou. Tony Madson disse ainda que a cada dia um morador aparece com uma moeda nova. “A mais antiga tem cerca de 200 anos e é ainda do Brasil Império”, completa.

Os moradores mais antigos, que vivem há mais de 80 anos no Peba, disseram que não lembram de nada que tivesse ocupado aquela área. Uma das hipóteses é a de que um navio teria naufragado. Outra aponta que se trata de uma “botija” que estava escondida na areia da praia.

Ainda de acordo com moradores da localidade, o achado dos materiais tem atraído “caçadores de tesouro”, que são pessoas que usam aparelhos para detectar metais embaixo da terra. Alguns dizem até estrangeiros e colecionadores já teriam chegado ao Peba para comprar as moedas do “tesouro”.

Como surgiu

O avanço da maré na Praia do Pontal do Peba fez surgir moedas antigas em um local que era antigamente um mangue. O material vem sendo chamado pela população de “tesouro da Praia do Peba. Segundo relatos de populares que conhecem o local, as moedas começaram a surgir depois que as águas começaram a levar parte da areia que cobria uma vegetação de mangue.

As moedas encontradas são de diversas datas e diferentes tipos de metal. Algumas de prata são ainda do Brasil Império, de 1869, e têm a esfinge do Imperador Dom Pedro II. Há algumas mais recentes, de 1985, e outras de países como a Inglaterra.

Como o local está inserido em uma Área de Preservação Ambiental (APA), o material que foi encontrado deverá ser periciado para pesquisa e identificação. Entretanto, os moradores do povoado alegam que o movimento da maré fez surgir um tipo de solo diferente do existente na praia. O local é conhecido como Massapê e se acredita que as moedas pertencem a um antigo naufrágio.

O Pontal do Peba era porta de entrada de navios no Rio São Francisco, que chegavam da Europa, em busca de se abastecer com água fresca e seguir viagem para cidades como Salvador e o Rio de Janeiro, antiga sede do governo do Brasil Império e depois República. Os navios também iam também até Penedo, para deixar passageiros e cargas.

Naufrágios

Vários naufrágios foram registrados durante o período em que as embarcações usavam a Foz do Rio São Francisco para se abastecer de água potável para tripulação e passageiros, como também para limpeza dos navios. Há relatos de antigos moradores que, durante a Segunda Guerra Mundial, foram vistos os demitidos submarinos alemães, U-Boat, (lobos solitários), que por ordem de Adolf Hitler atacavam os navios dos aliados no Oceano Atlântico.

>Link  

Populares acham moedas do “tesouro da Praia do Peba”
   Mozart  Luna  │     29 de agosto de 2017   │     23:30  │  0

 

 

O avanço da maré na Praia do Pontal do Peba, em Piaçabuçu, fez aparecer moedas antigas em um local onde anteriormente ficava um mangue. As peças vêm sendo chamadas por populares de “Tesouro da Praia do Peba”. Segundo relatos de moradores que conhecem o local, as moedas surgiram depois que as águas começaram a levar parte da areia que cobria uma vegetação de mangue.

As moedas encontradas são de diversas datas e de diferentes tipos de metal. Algumas de prata são ainda do Brasil Império de 1869 e têm a imagem do Imperador Dom Pedro II. Algumas são mais recentes, de 1985, e outras de países como a Inglaterra.

Como todo o local pertence a uma Área de Preservação Ambiental (APA), o material que foi encontrado deverá ser periciado para pesquisa e identificação. Entretanto, os moradores do povoado alegam que o movimento da maré fez surgir um tipo de solo diferente do existente na Praia. O local é conhecido como Massapê e se acredita que as moedas pertencem a um antigo naufrágio.

O Pontal do Peba era porta de entrada de navios no Rio São Francisco. As embarcações chegavam da Europa para se abastecer com água fresca e seguir viagem para cidades como Salvador e Rio de Janeiro, antiga sede do Governo do Brasil Império e depois República. Os navios também iam também até Penedo, para deixar passageiros e cargas.

Naufrágios

Vários naufrágios foram registrados durante o período em que as embarcações usavam a Foz do Rio São Francisco para se abastecer de água potável para tripulação e passageiros, como também para limpeza dos navios. Há relatos de antigos moradores que, durante a Segunda Guerra Mundial, foram vistos os demitidos submarinos alemães, U-Boat, (lobos solitários), que por ordem de Adolf Hitler atacavam os navios dos aliados no Oceano Atlântico.

Os submarinos alemães eram temidos e chegaram a afundar o navio brasileiro Itapagé, que foi a pique na altura da Praia de Lagoa Azeda, onde dezenas de pessoas morreram em consequência do ataque de um U-Boat, que varria o trecho do litoral brasileiro em busca de vítimas. A Foz do Rio São Francisco teria sido um dos locais preferidos pelos alemães para se abastecer de água potável e até de coco.

O ataque ao navio brasileiro Itapagé teria sido a gota final para que o presidente Getúlio Vargas anunciasse estado de guerra contra os países do Eixo (Japão, Itália e Alemanha), aliando-se aos Estados Unidos e formando a Força Expedicionária Brasileira (FEB).

Sinalização

O local do achado do “Tesouro da Praia do Peba” vem sendo motivo da presença de populares que buscam no solo moedas antigas. Outro fato interessante é que no mesmo local há também um tipo de concha, que não é característica da região.

Até agora nenhuma autoridade da área de pesquisa da Universidade Federal de Alagoas, prefeitura ou do Governo do Estado compareceu ao local para sinalizar a área e proceder uma identificação que leve à origem e à importância histórica do “Tesouro da Praia do Peba”.

>Link  

Movimento anti-turista na Europa pode ajudar o Brasil
   Mozart  Luna  │     28 de agosto de 2017   │     21:12  │  1

 

A massificação do turismo está a tornar-se uma dor de cabeça para muitas localidades que viram uma enchente de gente de fora tomar conta de paisagens e destinos, quase sem deixar espaço para os habitantes locais.

Portugal, cada vez mais na moda, não é exceção, recebendo muitos turistas de toda Europa que descobriram em terras lusas a tranquilidade e a segurança, além de ser muito mais barato que os outros países. Portugal continua muito receptivos aos turistas, já que a atividade está em plena expansão,

Em meio a esse movimento “anti-turista” na Europa surge a oportunidade do Brasil se candidatar a ser um destino turístico importante, desde que invista mais em segurança pública, qualificação dos trabalhadores no setor e principalmente infraestrutura. Paralelamente é preciso também marcar presença nas feiras internacionais que ocorrem pela Europa, para incrementar a venda de pacotes para o Brasil.

Alagoas tem um lugar especial com voo charter que acontece no final trazendo portugueses para passar o réveillon em Maceió. Entretanto essa operação poderia ser ampliada com a reclassificação do aeroporto Zumbi dos Palmares para categoria D, possibilitando a vinda de aeronaves A 330.

Protestos

Vários protestos foram realizados este ano em Roma e Madrid por parte dos moradores que reclamam da invasão de visitantes em suas cidades e por consequência prejuízos na qualidade de vida.

Barcelona, em Espanha, antes do ataque nas Ramblas, tinha sido palco de vários protestos contra a invasão turística da cidade que, com 1,6 milhões de habitantes, tinha recebido no ano passado 32 milhões de visitantes.

Mas as manifestações anti-turistas não aconteceram só na capital da Catalunha. Veneza e Roma também se debate há vários anos contra as multidões que a visitam e a vão deteriorando. O crescimento da atividade turística é um fenômeno econômico, que vem impulsionando financeiramente países como a Espanha que tem 1,3 % de seu PIB baseado no turismo.

O grande número de turista concentrados em algumas poucas cidade não tem sido um fato bom para a atividade como também para os moradores, que são prejudicados com a perda da qualidade dos serviços prestados, como limpeza pública, transito e segurança.

Em Roma o número de mendigos e moradores de rua aumentou assustadoramente, muitos são pessoas que chegam de outras cidades da Europa ou imigrantes que encontram na Cidade Eterna, o local ideal para sobreviver.

No mundo inteiro, este ano, foram já feitas 369 milhões de viagens internacionais de turismo, o que representa 1,6 milhões por dia. A atividade turística explodiu no Mundo, criando a fobia de turismo por parte dos moradores da cidades mais visitadas com Madrid, Barcelona, Paris, Roma e Veneza.

 

>Link  

Cânions do São Francisco é destaque nas passarelas da moda em São Paulo
   Mozart  Luna  │     26 de agosto de 2017   │     22:37  │  2

 

As belezas dos Cânions do São Francisco em Alagoas foi mais uma vez destaque em um grande evento nacional, no desfile da nova coleção denominada  Sertões, da estilistas Martha Medeiros, que ocorreu no hotel Palácio Tangará em São Paulo, na última terça-feira. Estavam presentes as grandes estrelas da televisão brasileiras, além de empresários, jornalistas e especialista em moda de todo mundo.

No chamado plano de fundo do grande desfile de Martha Medeiros estavam as fotos dos cânions do Rio São Francisco do famoso fotografo Bob Wolfenson. Os catálogos tinham as modelos pousando no Cânions, vestindo a nova coleção Sertões.

Sertão de Alagoas despertou o interesse dos presentes que comentavam o exotismo da natureza da região e a vontade  em conhecer essa parte do Nordeste, que tem sido escolhida para ser cenário de produções cinematográficas.

 

O desfile da coleção da alagoana Martha Medeiros foi um sucesso, mas ficou marcado pelas belas fotos do catálogo e dos painéis que foram colocados no Hotel Palácio Tangará, o único seis estrelas do Brasil e que foi inaugurado a pouco mais de dois meses.

A produção fotográfica na região dos cânions, para o catálogo da estilista, teve o apoio de vários empresários de Piranhas, sendo o maior incentivador o empresário Manoel Foguete da MFTur, além do receptivo Karrancas, Cachaçaria Altemar Dutra, empresária Mama Omena, Hotel Pousada Velho Chico e pousada do Canto.

Os locais especialmente escolhidos foram o Riacho do Talhado, Grota de Angicos, Usina de Angiquinho, Piranhas e diversos trechos dos Cânions. Um espetáculo de formas e cores que despertaram a interesses dos presentes para região como destino turístico.

Para os diretores da MFTur ações como essas serão sempre realizadas mais vezes para divulgar ainda mais a região como destino turístico e para isso é fundamental parcerias como a realizada com a estilista alagoana Martha Medeiros e a imprensa.

A secretária municipal de cultura e turismo de Delmiro Gouveia, Patrícia Brasil e o diretor da MFTur Fábio Chimenez estiveram presente ao grande desfile a convite de Martha Medeiros que destacou as belezas da região dos Cânions do Rio São Francisco.

O evento serviu também para divulgar não só o turismo como também a gastronomia e o artesanato da região, que vai ganhar uma escola de bordados em Piranhas. A iniciativa tem também seu fundo social que é gerar emprego e renda numa região onde as dificuldades de trabalho é grande.

Turismo como prioridade

Atualmente, segundo dados dos empresários, cerca de 3 mil pessoas sobrevivem direta e indiretamente da atividade turística, superando em termos de postos de trabalho as três prefeituras da região. Para os empresário os municípios de Piranhas e Delmiro Gouveia são os destaques na região, mas é necessário que os gestores dos outros municípios em volta também busquem priorizar essa atividade em seus governos.

>Link  

Ambientalista fala sobre o Ano Internacional do Turismo Sustentável
   Mozart  Luna  │     25 de agosto de 2017   │     16:14  │  0

 

O advogado Marcelo Ribeiro, integrante da Comissão de Meio Ambiente e Urbanística da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) nos enviou um artigo comentando a importância do turismo para nova sociedade e sua contribuição para preservação ambiental e para geração de emprego e renda:

“A Organização das Nações Unidas declarou 2017 como o Ano Internacional do Turismo Sustentável, iniciativa que tem como pressuposto principal evidenciar o potencial que tem a atividade turística como alavanca para a geração de empregos e distribuição de renda.  Estima-se que de cada 11 postos de trabalho gerados no mundo, 1 é ligado ao setor do turismo, respondendo por mais de 10% de todo o Produto Interno Bruto gerado no planeta.

Estes números impressionantes demonstram a necessidade de alçar à condição de prioridade o planejamento das ações voltadas ao incremento da chamada “indústria sem chaminés”, dentro de uma perspectiva que incorpore os conceitos de Sustentabilidade, quais sejam o vieses econômico, social e ambiental interagindo de forma harmônica e equânime, respeitando as limitações impostas pela preservação ambiental, espraiando de forma justa as riquezas geradas de forma a gerar o incremento da economia interna.

O turismo sendo bem estruturado e administrado de forma profissional tem a capacidade de contribuir significativamente para a preservação dos recursos naturais e proporcionar uma melhor qualidade de vida para as populações tradicionais.   Sob este aspecto, Alagoas possui incomensuráveis riquezas que precisam a todo custo ser preservadas e valorizadas, uma extraordinária diversidade cultural, paisagens deslumbrantes, além do internacionalmente famoso litoral de praias paradisíacas.

Diante de uma aguda crise econômica que vem causando estragos em praticamente todos os setores do mercado, com forte retração na geração de emprego e renda, é necessário mais do que nunca planejar com especial atenção as ações que propiciarão que o Turismo ocupe o lugar de destaque que lhe é devido, para isto precisamos investir maciçamente na qualificação da mão de obra, na infraestrutura dos meios de transporte, Segurança Pública, saneamento básico, fortalecimento dos órgãos municipais de comando e controle na área de meio ambiente, dentre outras ações fundamentais para viabilizar o fortalecimento da atividade turística em uma perspectiva de sustentabilidade e visão de futuro.

Não há mais espaço para improvisações e amadorismo, se efetivamente quisermos que Alagoas ocupe um lugar que lhe é devido como protagonista no cenário global da atividade turística, o momento é este aglutinar os atores públicos e privados em torno da causa comum do Desenvolvimento Sustentável para as presentes e futuras gerações”.

Marcelo Ribeiro

Advogado, Membro da Comissão de Meio Ambiente e Urbanística da Ordem dos Advogado do Brasil, Especialista em Gestão de Recursos Hídricos e Direito Ambiental.

>Link