Conselheira pede documentos da licitação dos passeios às Gales de Maragogi
   Mozart  Luna  │     20 de dezembro de 2016   │     21:21  │  1

IMG_7741

A conselheira do Tribunal de Contas do Estado de Alagoas Rosa Albuquerque, numa decisão monocrática decidiu suspender a licitação que escolheu a empresa vencedora para coordenação do serviço de passeios às Gales de Maragogi. Em sua decisão a conselheira determinou que a prefeitura e o Conselho Municipal de Defesa de Meio Ambiente (Condema) forneçam os esclarecimentos, além da legislação pertinente, a cópia completa de todo processo.

A ação foi movida pela Associação dos proprietários de lanchas das taocas e Barra Grande (APLTBG) que alega que o processo não teria seguido o rito exigido em lei, como por exemplo, ampla divulgação e a realização de discussão em audiência com a participação do Condema.

A assessoria da Prefeitura disse que a conselheira foi induzida tomar uma decisão errada, baseada em argumentações falsas, visto que todo processo seguiu as exigências necessárias para realização do certame. Segundo ainda a assessoria da Prefeitura, ouve ampla publicação do edital no Diário Oficial do Estado e dos Municípios, além da realização de audiência pública para discutir o assunto.

Os diretores da empresa vencedora disseram que tudo será esclarecido devidamente pelos advogados perante o Tribunal de Contas do Estado com farta documentação comprovando que todo processo foi realizado dentro das normas exigidas em lei e também da forma mais transparente possível.

 

>Link  

COMENTÁRIOS
1

A área de comentários visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos e que que firam a ética e a moral não serão liberados.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do blogueiro.

  1. Nulidade

    Prezado Mozart Luna. Gostaria que fosse apontada a legislação que dá poderes para a conselheira determinar a suspensão da aludida licitação. Essa competência está adstrita unicamente ao Poder Judicante, leia-se, Poder Judiciário. Denomina-se usurpação de competência, como já dito, e fere a autonomia dos municípios prevista na Carta Magna. Favor indicar o dispositivo legal que ampara tal decisão, sendo oportuno lembrar que o Tribunal de Contas é órgão auxiliar da Câmara de Vereadores, sendo nula, a nosso ver, a aludida suspensão. Agradeço desde já a resposta a esta indagação.

    Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *